Sexta, 21 de Junho de 2024
22°

Tempo limpo

São Paulo, SP

Internacional Eleição na França

Líder conservador francês defende acordo com 'extrema'-direita

Líder do partido conservador francês pediu uma aliança entre os candidatos de seu grupo e o Reunião Nacional, de Marine Le Pen

11/06/2024 às 14h21
Por: Redação
Compartilhe:
Marine Le Pen, e líder do partido conservador Republicanos (LR), Eric Ciotti. Retirada da Internet
Marine Le Pen, e líder do partido conservador Republicanos (LR), Eric Ciotti. Retirada da Internet

De acordo com a Reuters, o líder do partido conservador francês, O Republicanos (LR, na sigla em francês) pediu uma aliança entre os candidatos de seu grupo e o Reunião Nacional (RN), de Marine Le Pen, em uma eleição parlamentar antecipada – uma reviravolta política que terá amplas repercussões.

“Dizemos as mesmas coisas, então vamos parar de criar uma oposição imaginária”, disse Eric Ciotti à emissora TF1. “É isso que a grande maioria dos nossos eleitores quer. Eles nos dizem ‘cheguem a um acordo’.”

Espera-se que o RN, um partido de 'extrema'-direita, anti-imigração e eurocético, surja como a principal força da França depois que o presidente Emmanuel Macron convocou uma eleição para 30 de junho e 7 de julho, embora possa ficar aquém de uma maioria absoluta.

Portanto, o RN está em busca de aliados para garantir o controle do Parlamento e exaltou imediatamente o comentário de Ciotti. Mas isso, por sua vez, significa que o LR deve implodir.

As declarações de Ciotti também significaram que um consenso de décadas no establishment político da França de unir forças para manter a extrema-direita longe do poder está desaparecendo.

Os Republicanos e suas versões anteriores – todos herdeiros dos partidos de Charles de Gaulle e Jacques Chirac – estiveram no poder durante grande parte da história política moderna da França.

Mas o LR é uma sombra do que já foi, com muito menos parlamentares, e já havia perdido membros importantes para o partido centrista de Macron e para a extrema-direita.

Outros partidos tradicionais à esquerda e à direita também se enfraqueceram desde que Macron foi eleito presidente pela primeira vez em 2017 em uma plataforma centrista com um partido emergente que desejava remodelar o cenário político da França.

Philippe Gosselin, um parlamentar do LR, disse à Reuters que deixará o partido por conta dos comentários de Ciotti e que membros do LR criarão um novo grupo.

“É impensável para mim (e para muitos deputados do LR) que possa haver o menor acordo, a menor aliança, mesmo que local ou pessoal, com o RN”, disse Gosselin.

Outros veteranos do LR se alinharam para rejeitar qualquer acordo com a extrema-direita. Uma fonte parlamentar do partido estimou que apenas cerca de um sexto dos parlamentares aceitaria tal acordo.

Olivier Marleix, que lidera o grupo do LR na câmara baixa do Parlamento, disse no X: “O que Eric Ciotti está dizendo é válido apenas para ele mesmo, ele deve deixar a liderança dos Republicanos.”

O grupo de Macron não demorou a dizer que os comentários de Ciotti eram vergonhosos e, de acordo com o ministro do Interior, Gérald Darmanin, ex-membro do LR, lembravam os acordos de Munique de 1938 assinados pela França e pelo Reino Unido com a Alemanha nazista.

Enquanto isso, os partidos de esquerda prometeram trabalhar juntos e nomear candidatos conjuntos na eleição, mas ainda não chegaram a um acordo formal.

Em um comunicado conjunto na segunda-feira, os socialistas, os verdes, os comunistas e os membros do partido França Insubmissa prometeram “apresentar uma alternativa a Emmanuel Macron e lutar contra o projeto racista da extrema-direita”.

Embora o resultado da votação seja difícil de prever, uma vitória não parece estar ao alcance da esquerda. No entanto, eles podem ter a esperança de influenciar quem será nomeado primeiro-ministro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários