Quinta, 18 de Julho de 2024
16°

Tempo limpo

São Paulo, SP

Geral São Paulo

Como drones e satélites ajudam no combate e prevenção de incêndios em SP

Além dos equipamentos que sobrevoam unidades de conservação, Governo de SP conta com mapas que monitoram focos de incêndios em tempo real O post Co...

21/06/2024 às 07h41
Por: Redação Fonte: Secom SP
Compartilhe:
Drones termais da Fundação Florestal medem o calor na vegetação para identificar focos de incêndio
Drones termais da Fundação Florestal medem o calor na vegetação para identificar focos de incêndio

O Governo de São Paulo intensifica neste mês de junho as ações de mitigação e combate a incêndios florestais com a nova etapa da operação SP Sem Fogo . Diferentes ferramentas tecnológicas auxiliam as equipes dos órgãos estaduais no monitoramento de queimadas em vegetação durante o período de estiagem.

Entre os equipamentos utilizados estão os drones termais. A ferramenta empregada pela Fundação Florestal, órgão vinculado à Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística ( Semil ), faz o monitoramento em tempo real de possíveis focos de incêndio em unidades de conservação.

Por meio de câmeras térmicas, os drones são capazes de detectar pontos de calor, mesmo sob densa vegetação, facilitando a identificação do fogo e permitindo uma ação mais precisa.

“O uso do drone é bastante intenso na fiscalização no dia a dia. Principalmente em áreas remotas ou com topografia mais acidentada, ajuda a dizer para onde o fogo está caminhando”, explica Vladimir Arrais, coordenador da SP Sem Fogo pela Fundação Florestal.

LEIA TAMBÉM: Estado de SP se prepara para risco aumentado de incêndios neste ano

A tecnologia presente nas câmeras transforma a radiação infravermelha em imagens visíveis ao olho humano. O sensor de calor é sensível a qualquer objeto ou corpo aquecido a uma temperatura maior que zero absoluto (-273 °C) com emissão de ondas eletromagnéticas.

Além de focos de incêndio, a câmera termal ajuda na identificação de concentrações de fauna e até de pessoas, o que auxilia no trabalho de procura e resgate de eventuais vítimas. Os drones são distribuídos pelos polos regionais da Fundação Florestal. São 32 equipamentos no total.

“Quando você levanta e aciona a câmera, o drone indica a intensidade de calor daquela região. Isso é usado inclusive para identificar uma pessoa que se perde, devido ao calor emitido pelo próprio corpo”, relata Arrais.

Os drones também são empregados no pós-incêndio, para medir a área atingida e identificar possíveis pontos onde o fogo pode voltar. “No rescaldo, quando se termina de apagar o fogo, a gente levanta o drone para ele apontar se tem alguma área quente ainda que possa criar algum tipo de reignição. Por último, também usamos a ferramenta para aferir a área queimada”, explica o coordenador da SP Sem Fogo.

>Fundação Florestal realiza ações de prevenção de incêndios nas unidades de conservação do estado
>Fundação Florestal realiza ações de prevenção de incêndios nas unidades de conservação do estado

Tecnologia contra incêndios

A tecnologia está no centro das ações de combate e prevenção contra incêndios do Governo de São Paulo. Além dos drones da Fundação Florestal, o monitoramento de queimadas também é feito por dois mapas da Defesa Civil que, graças a algoritmos e satélites, conseguem detectar possíveis riscos de incêndio ou identificar focos de queimada já existentes.

O Mapa de Risco de Incêndio funciona como uma ferramenta preventiva. Com base em modelos meteorológicos, é possível identificar as chances de incêndio em determinado local. Isso é feito a partir de algoritmos que compilam dados sobre elementos como o nível de chuva dos últimos dias, cobertura vegetal, umidade do ar e do solo, temperatura e velocidade do vento.

“A partir disso, conseguimos visualizar alguns cenários críticos que podem acontecer dois ou três dias depois e emitir um alerta do centro de gerenciamento de emergência para o município”, explica o coronel PM Henguel Ricardo Pereira, Coordenador Estadual de Proteção e Defesa Civil e secretário-chefe da Casa Militar.

>Mapa de Risco de Incêndio da Defesa Civil
>Mapa de Risco de Incêndio da Defesa Civil

Já o Sistema de Monitoramento e Alerta (SMAC), feito em parceria com a Climatempo, gera um mapa a partir de informações colhidas por quatro satélites, onde é possível identificar focos de incêndio já em andamento.

Além dos mapas da Defesa Civil, a gestão estadual dispõe do Painel Geoestatístico dos Incêndios Florestais em Unidades de Conservação e Áreas Protegidas, publicado pela Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística. A pasta ainda conta com painéis sobre autos de infração ambiental e soltura de balões e de adesão de municípios às ações da Operação SP Sem Fogo.

Operação SP Sem Fogo

A operação SP Sem Fogo é uma parceria entre as Secretarias de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística (Semil), por meio da Coordenadoria de Fiscalização e Biodiversidade (CFB), Segurança Pública e Defesa Civil do Estado. Além disso, conta com iniciativas e investimentos do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar Ambiental, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Fundação Florestal (FF), e Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA).

As ações da gestão estadual vêm contribuindo para a redução recorde de incêndios florestais. Em 2023, em todo o estado de São Paulo, a área total atingida por incêndios florestais foi de 1.030 hectares, ante 7.181 em 2022, queda de 86%. Os dados são do Painel Geoestatístico dos Incêndios Florestais em Unidades de Conservação e Áreas Protegidas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários