Sexta, 21 de Junho de 2024
22°

Tempo limpo

São Paulo, SP

Geral Congresso

Oposição pretende prosseguir com CPI do arroz depois de anulado o leilão

Deputado Zucco diz que vai conversar com Lira e terá as assinaturas necessárias até amanhã

11/06/2024 às 16h57
Por: Redação
Compartilhe:
©Imagem de domínio Público
©Imagem de domínio Público

Segundo o repórter Fabrício Julião, do Poder 360, o deputado federal Luciano Zucco, do Republicanos, disse hoje que pretende prosseguir com a abertura de uma CPI para investigar as supostas irregularidades no leilão promovido pelom governo federal para aimportação de arroz ao estado do Rio Grande do Sul.

Segundo o parlamentar, o cancelamento do leilão é uma “confissão de culpa” do governo. Zucco afirmou que ainda vai conversar com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e que a chamada “CPI do Arroz” terá todas as 171 assinaturas até amanhã, 12 de junho.

“Na minha visão, estão assumindo que alguma coisa tem que ser investigada. Esse recuo, essa desistência, é algo muito negativo para o governo. Eles verificaram algo de errado e temos que analisar de forma muito clara por meio da CPI”, disse o deputado.

Zucco disse já ter cerca de 100 assinaturas para abrir a CPI. Para que a comissão possa ser instalada, é preciso 171 assinaturas de deputados, ou seja, 1/3 da Câmara.

Por volta das 12h, o presidente da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), Edegar Pretto, anunciou o cancelamento do leilão para a importação de arroz. 

O debate ocorrido no dia 6 de junho do corrente ano, para assegurar o fornecimento de arroz no Brasil após as enchentes no Rio Grande do Sul, chamou a tenção por ter como vencedoras, das quatro escolhidas, três empresas que não são do ramo de importação. Entre as empresas vencedoras, havia sorveterias e locadoras de máquinas. Só a Zafira Trading, é do ramo.

O secretário de Política Agrícola, Neri Geller, pediu demissão nesta manhã. Segundo o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, o pedido foi aceito e ele será exonerado do cargo. Seu nome entrou na berlinda após denúncias do envolvimento da corretora de um ex-assessor durante o debate.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários