0

15 DE NOVEMBRO DE 2017 – DA PROCLAMAÇÃO À PROFANAÇÃO DA REPÚBLICA

15 DE NOVEMBRO DE 2017 - DA PROCLAMAÇÃO À PROFANAÇÃO DA REPÚBLICA

O Brasil tinha uma população de pouco mais de 15 milhões de habitantes quando a república foi proclamada.

Nascia, naquele momento, a República dos Estados Unidos do Brasil, um nome que mesmo sem a menor originalidade, passou a nos definir como uma nação republicana, pondo um verdadeiro ponto final no nosso vínculo com a monarquia e com Portugal.

Apesar de ter tido diversos idealistas, o golpe que depôs Pedro II e resultou na proclamação da república aconteceu por motivos muito menos idealistas do que se imagina, apesar de haverem muitos idealistas por trás dela. E o fato curioso desse episódio está exatamente no seu protagonista, o Marechal Deodoro da Fonseca.

Deodoro era monarquista. E até a manhã do dia 15 de novembro de 1889 ele só aceitava um golpe de derrubasse o governo do Visconde de Ouro Preto, presidente do conselho de ministros, o que foi feito. Daí, então, a tropas voltariam para os quartéis. Aconteceu, então, que Pedro II decidiu formar um novo governo, e nomeou como novo presidente do conselho de ministros o político gaúcho Silveira Martins, que tinha sido rival de Deodoro pelo amor de uma rica viúva gaúcha. E isso motivou Deodoro a destituir o Imperador.

Proclamada a República, formou-se o governo provisório com Deodoro na presidência e Floriano Peixoto de vice. Na mesma noite a família real foi exilada para Portugal, e assim começou a nossa história republicana. Não poderia dar muito certo, não é mesmo?

Foram 37 presidentes que se alternaram no poder através de nomeações, aclamações, golpes e eleições, e que dirigiram o país sob regimes presidencialistas, parlamentaristas, militares e ditatoriais, e que mudaram 7 vezes a nossa constituição.

Passados 128 anos, o Brasil tem uma população de quase 200 milhões, que nos últimos 32 anos tem sido vergonhosamente roubada de todas as maneiras possíveis e inimagináveis. São verdadeiras quadrilhas roubando todas as empresas públicas possíveis, desviando verbas do maior ao menor município da federação, e desprezando as leis de todas as maneiras.

São bilhões de reais que deixaram de ser investidos no bem comum para servir a poucos, relegando o povo e o país ao atraso, ao subdesenvolvimento, à mediocridade e a falta de esperança. Voltamos no tempo.

Curiosamente, os 128 anos e 7 constituições que nos separam do longínquo 15 de novembro de 1889 nos levaram a uma situação quase igual. Temos uma casta política que se equivale aos Barões, Condes e Viscondes que gozavam dos privilégios da monarquia, e que, como tal, se acha intocável e acima das leis.

A diferença é que hoje, não existe exército nem “Deodoros” dispostos a montar em cavalos para derrubar regime ou governo, muito menos motivados por desilusão amorosa.

O que temos é uma casta de políticos corruptos que, muito provavelmente, não faz ideia do que pensavam Benjamin Constant, Quintino Bocaiuva, Rui Barbosa, Campos Sales, Aristides Lobo e Demétrio Ribeiro quando idealizaram a nossa república e fizeram a constituição de 1891.

Nossa república foi profanada. É chegada a hora de se proclamar alguma coisa diferente.

Leia também

José Sarney, o honorável bandido de 87 anos, continua mandando no Brasil

Luiz Inácio Lula da Silva. Não poderemos mais ter eleições no Brasil sem ele?

 

 

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.