0

Viagens sem volta para destinos desconhecidos.

O que se sabe de verdade sobre essas  “coisas” que injetam nas pessoas, que deixaram de ser “coisas” e viraram “coisas de imunização”, e sabe-se lá a que categoria mais podem ser rebaixadas? A profusão de informações contraditórias, versões contra realidade, nos faz desconfiar de tudo. Pessoas que deveriam estar ao menos “com imunidade” estão ficando doentes e morrendo, diversos casos que atacam homens jovens com cardiopatias e mulheres jovens com indícios de infertilidade, evidências sobre evidências e mesmo assim insistem, apesar das orientações de fabricantes e organizações de saúde, em injetar essas incógnitas nas crianças sem a menor ideia do que isso pode gerar nós organismos das pessoas nos próximos 5 anos.

Nós pode ver a coisa de duas maneiras. Se optarmos pelo ponto de vista de que se trata de um sistema de controle social, vamos para o lado do comunismo. Mas se no conteúdo dos frascos dessas “coisas de imunizar” tiver algo que de fato interfira no desenvolvimento humano, como, por exemplo, no campo da infertilidade, trata-se de algo muito mais profundo do que comunismo, o que torna menos poderosos os movimentos de resistência. O sistema cerca e inviabiliza o exercício da cidadania. Na China a pessoa pode ser impedida de usar transporte coletivo como penalidade por alguma infração como ser flagrado e identificado por um sistema de câmeras e reconhecimento facial ao atravessar uma rua fora da faixa de pedestre. O que mais eles fazem que não sabemos?

Estamos diante do risco de extermínio do modo ocidental de vida. De um modo ou de outro as culturas estão sendo invadidas e rachadas na Europa como resultado do gigantesco êxodo de refugiados islâmicos, que, ao invés de se aculturar do país onde ele vai viver quer implantar o seu modo de viver na cultura do seu novo país, do qual ele fugiu porque era ruim.

Vemos a China ocupando o mundo e dominando países como acontece na África, na Jamaica, disputando fronteiras terrestres e marítimas em 26 fronta diferentes, criando um domínio militar no Mar do Sul da China, que apesar do nome não lhe pertence, como eles insistem pertencer. A infiltração através de investimentos em agronegócio e logística na África e na América do Sul, interferindo nas políticas internas desses países, financiando políticos, sindicatos, revoltas, reviravoltas no ordenamento jurídico dos países, na elaboração de leis com interesses apátridas.

O que realmente sabemos sobre isso que estão injetando nas pessoas? Em que fase do plano esse ingrediente entra em cena? Em qual fase desse domínio cultural, financeiro, logístico, estratégico, dessa tomada de controle do mundo nós estamos vivendo? No que mais podem nos transformar além de ratos de laboratório? Tem pior que isso ainda? O que esses caras estão dispostos a fazer para que todos nós embarquemos nessa viagem cujo destino não fazemos a menor ideia? Como comprar essa passagem só de ida certos de que não haverá volta, seja qual for o destino reservado a cada um.

No ano de 2020 separaram as pessoas. Imagino que demonstrações de afeto e carinho como abraços e beijos deve ter se reduzido em 90%. Ninguém encontrava ninguém, e se encontrava era de longe, de máscara, passando álcool gel até nas palavras. Agora pais estão sendo proibidos pela justiça de ver os filhos porque não deram seu braço para uma enfermeira enfiar uma agulha. Restaurantes rejeitam clientes que não aceitaram a picada, empresa não contratam – e até demitem – pessoas que tenham manifestado algo contrário à verdade que se quer que acredite ou praticado algum tipo de ativismo que não coaduna com o posicionamento politicamente correto da organização. Querem proibir tudo o que for possível para que as pessoas recebam em seus braços os vistos para essa viagem sem retorno que querem que façamos. Estão inclusive parcelando em doses. Já se encontram opções de introdução de líquido mágico em até 4 vezes. E não deve parar por aí.

São muitos movimentos pelo mundo contrários a ideia de que uma pessoa precise tomar uma ou mais picadas de um líquido desconhecido para exercer sua cidadania e sua liberdade. Não dá para entender como esses governos e governantes se alinharam durante tantos anos para chegar ao ponto que a estabilidade mundial esteja colocada em xeque como está. É meticuloso demais, orquestrado demais, ter pessoas alinhadas a esse sistema ocupando cargos poderosos ao mesmo tempo, nos principais países, nas maiores economias.

O Brasil virou a pedra no sapato nesse cenário. Era para termos alguém da esquerda no poder, e não Jair Bolsonaro. E quem possibilitou isso foi a própria esquerda brasileira, corrupta, gulosa, não roubou apenas para se perpetuar no poder, roubou para enriquecimento ilícito, se dissociou – felizmente, muito obrigado – desse projeto global maior, como Dilma e Temer intensificaram em seus governos, para tornar milionários todos os que contribuíram para que tantas ilicitudes acontecessem em simultâneo.

Tanto as eleições quanto o direito de escolher se quer ou não permitir que injetem em seu corpo uma substância, nas atuais circunstâncias do Brasil e do mundo, são viagens só de ida. São escolhas necessariamente de caráter individual e cujos reflexos só se vê depois.

Também na política e nessa questão de saúde, além de tudo de bom e de ruim que já conhecemos sobre ambos, dadas a velocidade e a voracidade com que se mobilizam para cercear as liberdades individuais e alterar o conceito de cidadania. Já não sabemos prever com certeza que tipos de reações adversas ou efeitos colaterais podem surgir ao longo do tempo na sociedade, nas questões sociais e de saúde.

Tudo está caminhando muito rápido. Fomos lentos em entender e continuamos lentos para reagir, e não é apenas no Brasil. Mas, aqui, talvez pela impossibilidade equivocada de reunir a direita sob um pacto de prioridades imediatas, concentrar esforços  e pautar sua própria agenda, continuamos lentos como força! Que ainda precisa ser motivada por manifestação para pegar no tranco, mas que, aos poucos, vai faltando combustível aqui e ali, e no primeiro quebramola deixa morrer com duas rodas na frente dele e duas atrás e não sabe para que lado empurra para sair dali, porque nessa hora a gente descobre que nada é do jeito que querem que acreditemos que é.

Temos muito pouco tempo para mudar muitas coisas, e cada dia que passa fica mais complexo mudar, mais danoso. E se, em termos de Brasil, não houver, de fato, uma ruptura drástica no sistema, seremos mais uma nação sob domínio do sistema mundial comandados por meia dúzia de corruptos cujos nomes todos sabem quais são.

Certas viagens, não importa o tamanho do arrependimento que se possa ter depois, tem passagem só de ida, e já é mais que claro para todo mundo a categoria de ambiente que o futuro vai virar nesse (categoria) de destino. É uma questão de escolha.

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.

Deixe um comentário