0

Sérgio Moro ministro não mete medo no PT. O medo é Moro presidente.

Sérgio Moro foi indicado para o Ministério da Justiça e eu me manifestei contra no artigo “Sérgio Moro no Ministério da Justiça será um “Sérgio Morto”. Não aceite.“. É só clicar no link caso queira ler na íntegra.

Sérgio Moro ministro não mete medo no PT. O medo é Moro presidente.

No final do primeiro parágrafo eu disse o seguinte: ” Um ministro da justiça pode muito menos do que um juiz, e ainda pode ser demitido da função, por não apresentar resultados satisfatórios ou até mesmo por pressão política e midiática. “

E continuei no segundo parágrafo dizendo “Por que Sérgio Moro é Sérgio Moro? Porque ele é juiz, e apesar do STF, foi na primeira instância que ele começou a mudar a história do Brasil. Jogado no Ministério da Justiça ele deixará de sentenciar para ser sentenciado.

Obviamente eu não contava com invasão de celulares e privacidades de Sérgio Moro nem de ninguém quando escrevi essas coisas em outubro de 2018. Aliás, no momento que escrevia não contava nem com a hipótese de ele aceitar o cargo. Mas aceitou, no mesmo dia. E o que estão tentando fazer é “matar” o juiz Sérgio Moro, para, com isso, tirá-lo do comando do Ministério da Justiça, porque sabem de sua capacidade. Mas sabem também das limitações que esse cargo político lhe impõe.

Há quem enxergue na revelação das mensagens entre Sérgio Moro e os procuradores da Lava Jato, em especial Deltan Dallagnol, a solução para o problema número 1 do PT, que é tirar Lula da cadeia, principalmente depois que José Dirceu, principal cérebro de tudo de ruim que a esquerda faz, voltou para lá. Mas eu faço a aposta de que a coisa é ainda mais ambiciosa.

A esquerda quer acabar com a imagem ilibada de Sérgio Moro por dois motivos: vingança e medo. Vingança pelo óbvio. Medo porque ele cada vez mais, mesmo sem fazer nada para isso e negar categoricamente que não quer, se cacifa como candidato do povo à presidência da república quando for o momento da sucessão de Jair Bolsonaro, em 2022 ou 2026. E isso é tudo o que o PT e seus “puxadinhos” não querem.

A invasão dos telefones do ministro Sérgio Moro, dos procuradores da república, de juízes dos TRFs, é apenas mais um crime da ORCRIM. O apenas não diminui o crime, gravíssimo, mas ressalta uma sequência de absurdos patrocinados pela esquerda e pela imprensa brasileira, que dão eco a todo e qualquer absurdo que venha dessa facção criminosa.

O absurdo fica ainda mais escandaloso quando vemos que por trás do vazamento do conteúdo das mensagens de Sérgio Moro e dos procuradores está Glenn Greenwald, que sequer é brasileiro, ainda que tenha se naturalizado. O mesmo Glenn Greenwald que patrocinou a publicação dos arquivos roubados por Edward Snowden que revelaram segredos de estado norte americanos e de outras superpotências. Tanto é que seu parceiro, atual deputado federal David Miranda, foi preso no aeroporto de Heathrow em Londres de posse de documentos secretos, motivo pelo qual responde a processo no Reino Unido por espionagem e terrorismo.

Em qualquer país sério do mundo, um cidadão não natural – naturalizado ou não – que se envolva em crimes que espionagem, invasão de privacidade e divulgação de conteúdos privados que remetem à segurança nacional teria sua naturalização cassada (caso fosse naturalizado) e seria no mínimo deportado, se não preso. Basta vermos que para se quebrar o sigilo telefônico e telemático de investigados e acusados de crimes comprovados tem que haver autorização expressa da justiça, que costuma negar, como já fez em inúmeros casos dentro da operação Lava Jato.

Quando Jean Wyllys saiu do Brasil eu perguntei no Twitter quanto teria custado sua renúncia em favor de David Miranda. E não deve ter sido barata, pois David Miranda no Congresso Nacional era uma porta aberta para seu parceiro Glenn Greenwald atuar diretamente no dia a dia dos congressistas, como, claramente, aconteceu.

Sérgio Moro representa tudo o que os brasileiros de bem desejam para o Brasil. E o completo oposto do que a esquerda não deseja.

A esquerda brasileira não tem responsabilidade ou compromisso com o Brasil ou com o povo brasileiro, e não se cansará de criar factoides que objetivem destruir a reputação de todos que foram fundamentais na revelação e elucidação dos graves crimes que cometeram contra o estado e contra a nação.

Agora a tarde, nessa data, Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara dos Deputados (é impressionante que um ser tão repulsivo e desprezível tenha conseguido enganar tanta gente tanto tempo e ainda assim ter sido reeleito) avisou que a oposição fará obstrução às pautas do Congresso Nacional até que Sérgio Moro e os procuradores da Lava Jato sejam afastados e tenham seus celulares retidos pela Polícia Federal para investigação. Era a desculpa que eles precisavam para empatar o Brasil e não votarem o PLN4 para autorizar ao governo um crédito suplementar de 284 bilhões de reais.

O objetivo dessa obstrução à votação do PLN4 é o estrangulamento financeiro do governo e que redundará no descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (que o PT votou contra) e com isso no acometimento de crime de responsabilidade do presidente da república, abrindo assim a possibilidade daquilo que o PT mais fez desde que chegou à Brasília, que é apresentar pedidos de impeachment. Mas não fica nisso.

A não aprovação do PLN4 implicará na falta de recursos para pagamentos de benefícios como aposentadorias e bolsas família, e com isso a chance de jogar o povo contra o governo de Jair Bolsonaro.

Estamos vivendo um momento crucial da vida política nacional, uma encruzilhada que nos põe diante do futuro ou do abismo, e o PT e a esquerda estão optando pelo abismo, sua única chance de sobrevivência.

Devemos ficar atentos ao Supremo Tribunal Federal, no qual chegou um pedido de suspeição de Sérgio Moro em função dos vazamentos das mensagens pelo site de Glenn Greenwald, e que, coincidentemente, caiu exatamente nas mãos do ministro Gilmar Mendes, notório desafeto de Sérgio Moro e árduo opositor da Lava Jato. É aí que mora o perigo.

Sérgio Moro não deve se afastar ou ser afastado, muito pelo contrário. É hora do governo e da sociedade ampliar e amplificar o apoio ao ministro.

Sobre as mensagens vazadas por Glenn Greenwald não há absolutamente nada que remeta a qualquer ilegalidade. No máximo comentários pessoais que não configuram nenhum crime ou descumprimento das leis. Ministros do STF fazem comentários muito mais complicados para os microfones das rádios e TVs. Gilmar Mendes já foi flagrado em interceptações da Polícia Federal em conversas nada republicanas com investigados, julga e solta conhecidos e clientes do escritório de advocacia da qual sua mulher é sócia (será que só ela é sócia mesmo ou seria ela uma laranja de Gilmar?) e jamais se declarou suspeito. E todos sabemos que é.

Penso que Sérgio Moro realmente não será candidato à presidência da república. Mas pensava também que ele recusaria o cargo de ministro da justiça. E concluo com o mesmo antepenúltimo parágrafo que escrevi no artigo ao qual me referi no início desse : ” Que Jair Bolsonaro, deixe Sérgio Moro aonde está, e que Sérgio Moro, aguarde para ir para o STF na hora certa, um assento que sem dúvida ele merece, mas sem pressa.”

Mas que o PT continue vivendo com esse pesadelo. O que é pesadelo para eles é sonho para quem quer viver num Brasil livre de ladrões e corruptos.

Você pode gostar de ler também:

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.