0

Dilma Rousseff salvou o Brasil de ter virado uma Venezuela. Acredite.

Dilma Rousseff salvou o Brasil de ter virado uma Venezuela. Acredite.

Sei que parece difícil encontrar uma maneira de pensar em Dilma Rousseff como salvadora de alguma coisa, principalmente do Brasil, mas ela nos salvou de virar uma Venezuela a partir de 2014.

Quando assumiu a presidência em 2010, Dilma Rousseff assumiu também uma situação econômica que já vinha sendo fragilizada desde os dois últimos anos do segundo mandato de Lula. As comodities que valiam ouro no governo Lula já tinham caído na real, o mundo se recuperava da crise de 2008, o cenário já não era interessante nem para alguém competente, imagine Dilma.

 


“Você está Prestes a Descobrir: Como Alguns Empreendedores Saíram De Quase Falidos Para Atrair Milhares de Clientes, Fechar Vendas e Serem Reconhecidos Utilizando um Sistema de Marketing Digital Pouco Conhecido Pela Maioria dos Empreendedores…”


 

Seu primeiro mandato foi uma porcaria, o país aprofundou a crise econômica, entrou em recessão, perdeu grau de investimento em todas as agências classificatórias de risco, Dilma Rousseff já não era respeitada nem dentro do próprio partido, e 2014 estava logo ali, a chance de mudar o rumo e trazer Lula de volta. Esse sempre foi o plano. Dilma Rousseff fazendo um tampão de 4 anos e Lula voltando em 2014.

Acontece que Dilma gostou da brincadeira de sentar na cadeira da presidência da república, e resolveu que seria candidata a reeleição, puxando o tapete dos planos de Lula. Falam em discussões feias, dedo na cara, chantagem de lado a lado, pressões de lado a lado, até que foi feita a vontade de Dilma. Lula enfiou o violão no saco e teve que apoiar a reeleição daquele que tinha acabado de traí-lo.

Aí é que começa a nossa sorte. Ela não apenas foi candidata como venceu a eleição derrotando Aécio Neves. E se você não entendeu ainda o que ela possa ter feito de bom, explico meu ponto de vista, ele é simples.

Se Lula tivesse sido candidato em 2014, teria sido eleito. Se eleito, a Lava Jato, recém nascida, teria morrido antes do final do seu segundo ano. Não é claro se Dilma deixou a Lava Jato correr solta na certeza de que jamais chegaria nela, ou se foi mesmo falta de competência e autoridade para promover um abafa naquele momento. O fato é que a Lava Jato cresceu forte, sadia, e pela primeira vez na história tivemos a revelação da maior história de corrupção do mundo.

Voltemos a Lula. Acima de acabar com a Lava Jato, o retorno de Lula teria caminhado para a efetiva venezuelização do Brasil. Ele já havia prometido interferir no judiciário, no ministério público, controlar a imprensa, a mídia, as redes sociais, e se impor como uma espécie de imperador do Brasil. Hoje parece claro que se ele tivesse voltado ao governo, a eterna podridão do Congresso Nacional teria lhe dado carta branca para interferir na Lava Jato e em todas as operações e investigações derivadas dela.

A derrota de Aécio Neves para Dilma Rousseff também acabou sendo um benefício pelos mesmos motivos que foram em relação a Lula. Se Aécio tivesse sido eleito presidente, também teria devastado a Lava Jato ainda na primeira metade de 2014, e não ficaríamos sabendo de 10% do que sabemos hoje. Personagens e operações que só surgiram com evolução da Lava Jato teriam permanecido no anonimato, ou no máximo em algum inquérito arquivado. Mas ela venceu.

No fim das contas, a vitória de Dilma Rousseff foi sua maior fraqueza em 2014. Ela cometeu estelionato eleitoral, mentiu, e tão logo o ano começou, isso foi ficando cada vez mais claro.

Os péssimos índices econômicos e sociais foram escondidos durante a campanha. O governo omitiu e mentiu dados para ajudar a reeleger Dilma. Mas não deu para continuar escondendo mais. Desemprego, PIB, economia, segurança pública, saúde, educação, todos os setores abriram o bico de vez e deixaram claro para todos que o Brasil precisava de um novo rumo, e descobriram um crime de responsabilidade, que existiu mesmo, para tirar Dilma Rousseff do poder.

Parte das mensagens roubadas dos hackers mostram diálogos entre Lula e Michel Temer que demonstram como ambos conspiraram juntos para a queda de Dilma. Ninguém mais queria ela lá, nem o PT, nem Lula. Fizeram a cena que deveriam fazer, mas Michel Temer assumiu e interferiu na Lava Jato o que pode, o que Dilma não quis ou não conseguiu fazer.

Fato é que se Dilma Rousseff não tivesse batido o pé para ser candidata à reeleição, Lula provavelmente teria ganho a eleição de 2014, acabado com a Lava Jato e muito provavelmente se reelegeria em 2018, o que consolidaria o projeto de venezuelização do Brasil, com prováveis consequências nos nossos vizinhos, como o fortalecimento de uma posição a favor de Nicolas Maduro e contra Maurício Macri desde sua eleição.

O que me parece quase certo é que se não fosse a teimosia de Dilma Rousseff em 2014, não importa por que meios ela tenha conseguido se manter candidata, dificilmente teria tido espaço para Jair Bolsonaro em 2018, e provavelmente qualquer um que se atrevesse a chamar Dilma de incompetente estaria preso, e eu não teria criado esse site.

Eu disse que era difícil imaginar alguma chance de Dilma Rousseff ter salvado o Brasil. Mas, graças a sua teimosia e incompetência, salvou.

Agora só falta ela ser condenada e começar a cumprir pena!

Você poderá gostar de ler também:

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.