0

Cristiane Brasil. Empossada ou não empossada, o mico é grande.

Cristiane Brasil. Empossada ou não empossada, o mico é grande.

Cristiane Brasil corre o risco de entrar para a história tal qual a viúva Porcina, personagem de Dias Gomes na novela Roque Santeiro, e cuja definição era “a que foi sem nunca ter sido”. E não deve ter faltado a ela nesses poucos dias quem lhe chamasse “puxasacosamente” de ministra.

Não sei de onde ela herdou o Brasil no nome, ou se foi mera questão de mau gosto de Bob Jeff, seu pai, mais conhecido como “denunciante” do mensalão, por motivos nobres, segundo ele, mesmo tendo recebido 4 milhões de reais para o partido por intermédio do PT, a fim de colaborar com a campanha eleitoral e, em troca, apoiar o governo Lula no Congresso Nacional. Acabou cassado.

Muitos são os fatos e versões sobre o caso. Particularmente, penso que a denúncia foi troco de “algum combinado” que não foi cumprido. E o denunciante ficou de olho roxo um bom tempo, que teria sido causado por uma batida involuntária num armário. Roberto Jefferson ainda frequentou os holofotes como paladino da justiça, até que um câncer mudou seu foco temporariamente, e depois de curado foi a justiça que mudou seu endereço por 14 meses, tendo cumprido sua pena “e pago sua dívida com a sociedade”. Só não virou pastor.

E enquanto Bob Jeff varria pátio e lia livro para diminuir sua pena, quem tocava a presidência do partido no seu lugar Cristiane Brasil, sua filha, evidenciando que no Brasil partido tem é dono mesmo, e não liderança.

Roberto Jefferson saiu da cadeia, sentou em cima de sua conta no Twitter e partiu para o combate ostensivo a Lula, a esquerda e ao petismo, ganhando milhares de seguidores e posando de bom moço. No congresso, sua filha comandava o partido e a bancada na Câmara dos Deputados, votando a favor do impeachment, a favor da PEC do teto, a favor da reforma trabalhista, e a favor do arquivamento das duas denúncias contra Michel Temer.

Paralelamente, Bob Jeff trocou seu domicílio eleitoral para São Paulo, passou a externar carinho e apreço por Geraldo Alckmin, e quase morreu de surpresa quando soube que sua cria foi escolhida por Temer para o ministério do Trabalho. A surpresa foi tanta que causou um ataque de choro e esquecimento, porque ele esqueceu que a surpresa tinha sido combinada com Temer horas antes.

Porém, o destino as vezes é muito cruel, como um armário que deixa as pessoas de olhos roxos de vez em quando. Descobriram que a futura ministra do trabalho Cristiane Brasil tinha… dívida trabalhista, imagine só. E uma turma de advogados cruéis e sanguinários denunciaram e impetraram uma ação para impedir a moça de assumir o ministério. E a justiça golpista comprou a ideia e ainda negou um recurso, fazendo Temer pedir que desmontasse o circo, porque não aconteceria a posse.

Até o momento que concluo esse artigo, Cristiane Brasil permanece como indicação do PTB ao ministério do trabalho.

Para o partido, não se sabe o que é mais constrangedor, se o veto de Sarney ao deputado maranhense Pedro Fernandes para o ocupar o Ministério do Trabalho ou o veto da justiça para a posse de Cristiane Brasil para o mesmo cargo. E para Roberto Jefferson o fato de ter que enfiar o rabo entre as pernas enquanto tenta convencer a filha a dizer que não quer, mesmo querendo muito.

Mesmo que Bob Jeff consiga fazer Cristiane Brasil desistir de tomar posse, Temer já está mal com a bancada do PTB de todo jeito, talvez 16 votos a menos a favor da reforma da previdência. A saída honrosa é conseguir um outro ministério para o partido e dizer que Cristiane Brasil abre mão da indicação em nome de outro perfil para outro ministério.

De verdade mesmo, chamar isso de mico é só para suavizar a coisa. O nome correto mesmo é gorila.

E o Twitter de Bob Jeff está calado desde ontem.

Leia também

Podem se preparar. Lula, condenado pelo TRF4, vai fugir do Brasil

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.