0

A pandemia de golpistas é muito pior do que a do Covid-19

A pandemia de golpistas é muito pior do que o Covid-19
Corruptovírus visto por microscópio eletrônico

Diante da pandemia mundial do coronavírus e sua enxurrada de informações e desinformações, fica difícil acreditar em qualquer um, inclusive em quem provavelmente está certo, afinal a razão parece estar com todo mundo e ao mesmo tempo não estar com ninguém.

Mas esse não é um artigo para falar de coronavírus, pois, uma vez que não sou infectologista, epidemiologista, médico, biólogo, ou qualquer coisa parecida, eu seria mais um a informar ou desinformar as pessoas baseado no que acredito ou desacredito.

O que me traz aqui é a pandemia dos golpistas e falsos democratas, aqueles que não souberam nem ganhar nem perder nas eleições de 2018, e desde o dia 1° de janeiro de 2019 atacam diuturnamente o governo de Jair Bolsonaro, inclusive o que ele faz de bom para o país e para a população brasileira.

Mas, sinto-me à vontade para dar meus palpites sobre algo muito mais grave, que é o processo golpista que está trabalhando para derrubar um governo legítimo que obteve 57 milhões de votos a favor de mudanças profundas na maneira de administrar o Brasil, algo que os perdedores das eleições de 2018 não aceitaram até o presente momento, e que não irão aceitar enquanto Jair Bolsonaro for presidente do Brasil.

A coisa não começou com a pandemia do coronavírus, foi muito antes, mais precisamente no dia da posse do atual presidente, com o congresso nacional agindo para que nada desse certo, ou para que pelo menos não desse muito certo a ponto de capitalizar Bolsonaro por créditos e méritos para arrumar o Brasil.

Medidas provisórias caducaram, projetos de grandes mudanças tributárias, trabalhistas, administrativas e econômicas foram desidratadas e/ou irresponsavelmente híper-hidratadas em pontos que quebram o caixa do governo. E a maioria delas “tramitam em banho maria” no Congresso Nacional, para que não surtam o efeito desejado pelo governo.

Não há quarentena para a falta de caráter da oposição, do judiciário e dos políticos brasileiros.

O que estamos vendo é a união desavergonhada de ministros do STF, senadores, deputados federais e estaduais, governadores e prefeitos numa ação coordenada para quebrar o governo de Jair Bolsonaro, mas, principalmente, para quebrar a confiança do povo e de muitos eleitores que não tem convicção política nesse governo.

As conquistas do governo Bolsonaro em apenas 1 ano e 3 meses são inegáveis, e, portanto, inaceitáveis pela oposição e por quem deseja tomar o lugar dele em 2022. E para isso eles não estão nos confinando, isso é só a interpretação mais visível a se fazer. Eles estão confinando a economia do país, impedindo o crescimento, gerando gastos gigantescos para afetar o desempenho da melhor equipe de ministros que o Brasil já viu e com isso usar essa economia destroçada como capital político para derrubar o presidente.

A deposição de Dilma Rousseff não foi um golpe, e por um simples motivo: ela foi articulada pelo próprio Lula e pelo PT, pois em 5 anos e meio Dilma conseguiu derreter a aparência ilusória das pseudo-conquistas do governo petista nos anos Lula. Dilma expôs a fragilidade das mentiras e de falsos sucessos obtidos às custas de mensalões e petrolões, e todos, repito, todos, inclusive seus parceiros, queriam vê-la pelas costas.

O que a Lava Jato mostrou ao Brasil é impossível de esconder, por mais que tentem, por mais que o judiciário ajude – e muito. Nem o mais humilde e desinformado dos brasileiros pode dizer que desconhece a podridão revelada pelo judiciário de primeiro grau, Polícia Federal, Ministério Público Federal e Receita Federal. Se preferem acreditar ou não é outra história. Mas sabem o que foi revelado.

Luís Inácio da Silva não passou 1 ano e meio preso porque era inocente. E nem foi libertado porque é inocente. Lula saiu da cadeia pelo conluio entre políticos e ministros do STF que desavergonhadamente derrubaram a prisão após condenação em segunda instância, além da vergonhosa – mesmo – lei que põe na rua qualquer meliante que tenha cumprido 1/6 da pena.

A pandemia que precisamos combater é a do corruptovírus, aparentemente cada vez mais erradicável do que o coronavírus.

Mesmo que possa não parecer, esse não é um artigo voltado para a defesa de Jair Bolsonaro. Minha defesa veemente é pela democracia e pelo sistema de governo presidencialista, definido em plebiscito realizado em 21 de abril de 1993 de forma incontestável pela população brasileira.

Os falsos democratas que agora se apresentam ao povo dizendo-se salvadores da pátria e defensores da saúde são nada mais nada menos do que os perdedores das últimas eleições aliados aos que desejam derrubar o governo ou depreciá-lo suficientemente para que chegue fraco em 2022.

O Covid-19 é uma realidade incontestável, mas está se mostrando muito menos agressiva no Brasil do que governadores e prefeitos estão vendendo ao povo e se aproveitando disso para extorquir dinheiro do governo federal, incluindo entre as solicitações dinheiro para coisas que nada tem a ver com a pandemia que o mundo está vivendo.

Podem apostar que no rastro do combate ao Covid-19 iremos, em breve, descobrir que um mar de corrupção terá acontecido enquanto os golpistas e falsos democratas diziam estar cuidando da saúde do povo.

A escolha que cada um de nós precisa fazer agora não trata apenas de voltar ao trabalho ou não, mas de voltarmos a viver numa democracia ou não. E para que a democracia se imponha dentro do seu significado mais nobre, do povo, pelo povo e para o povo, não podemos nos calar e nem dar voz aos algozes dos nossos destinos.

O que o Brasil está vivenciando junto aos governos estaduais e prefeituras não é o combate honesto ao coronavírus, mas o combate sujo e desonesto, digno de mau caráteres, corruptos e oportunistas contra um governo legítimo que mudou a maneira de fazer política e administrar o Brasil.

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.

Deixe uma resposta