0

E 2019 terminará com muitas perguntas que continuarão sem respostas.

E 2019 terminará com muitas perguntas que continuarão sem respostas.

Com toda certeza esquecerei de muitas perguntas que foram fartamente repetidas em 2019. Mas, procurei reunir algumas que considero as mais significativas, ou que a lembrança me permitiu reunir, porque suas respostas são fundamentais para entendermos, afinal, que país é esse.

Certamente, a mais importante de todas elas é: quem mandou matar Jair Bolsonaro.

Qualquer um que acredite que Adélio Bispo agiu sozinho apenas porque é louco pode acreditar também que Lula é inocente, porque trata-se de alguém sem o menor vínculo com a realidade.

E no bojo dessa mesma pergunta, seguem-se se outras, tão importantes quanto:

  • Quem financiou Adélio Bispo?
  • Quem pagou os advogados de Adélio Bispo?
  • Quem autorizou a entrada de Adélio Bispo no Congresso Nacional no momento que ele esfaqueava Jair Bolsonaro em Juiz de Fora?

Politicamente menos importante do que a tentativa de assassinato de um candidato à presidência da república, mas importante por se tratar de um homicídio é: quem mandou matar Marielle Franco? E a importância dessa resposta não se resume ao mero esclarecimento do homicídio, mas serviria para pôr fim a uma celeuma que, aparentemente, a esquerda não faz a menor questão de esclarecer. O sentimento é de que Marielle Franco ainda precisará morrer muitas vezes enquanto for útil ao discurso da esquerda.

Outras duas questões que causam curiosidade e indignação ao mesmo tempo são:

  • Por que STF tem tanto medo de Lula?
  • Por que o STF tem tanto medo de Renan Calheiros?

Não existem respostas plausíveis para essas perguntas, mas são fatos que não se pode contestar. O STF passou 2019 criando condições para soltar Lula e aliviar a barra de Renan Calheiros, e conseguiu fazer as duas coisas. Derrubaram o entendimento que permitia prender após condenação em 2ª instância, soltaram o apedeuta, José Dirceu e outros corruptos, e derrubaram, um a um, 9 inquéritos contra Renan.

E isso leva a outras questões.

  • Por que Bolsonaro escolheu Augusto Aras para a PGR?
  • Quais ministros de tribunais superiores já foram delatados?
  • Por que o inquérito inconstitucional de Toffoli e Moraes continua vigorando mesmo sendo ilegal?
  • Por que o sorteador eletrônico do STF só escolhe Gilmar Mendes quando a ação envolve corruptos?
  • Por que as investigações da Lava Jato em São Paulo não vão para frente?
  • Por que delatores cumprem penas e pagam suas multas e os políticos e agentes públicos delatados não?

E essas questões levam a outras questões também carentes de esclarecimentos:

  • Por que Dilma Rousseff não foi presa?
  • Por que Guido Mantega não foi preso?
  • Por que Aécio Neves não foi preso?
  • Por que Romero Jucá não foi preso?
  • Por que a delação de Antônio Palocci não produziu efeitos devastadores?

Não dá para não pensar que tudo isso não faça parte de um complô a favor da impunidade e do fim do combate à corrupção. Mas a coisa não para por aí. Outras perguntas aparentemente desconexas dessas tantas, no fundo tem tudo a ver com elas, pois serviram de pano de fundo para que o STF fizesse o “servicinho” ao qual se prestou.

  • Quem financiou os hackers de Araraquara?
  • Quem pagou os advogados dos hackers?

Como vemos, há mesmo muito mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia.

A ausência de respostas para tantas perguntas demonstra claramente que corruptos e protetores de corruptos ganharam importantes batalhas em 2019.

Em canetadas colegiadas e monocráticas do STF, associadas à criação e alteração de leis pelo Congresso Nacional e à falta de vetos significativos do presidente da república, apenas em 2019 retrocedemos no combate à criminalidade de colarinho branco e vimos serem destruídas as imensas conquistas de 5 anos da Operação Lava Jato.

Isso tudo nos leva a uma última pergunta, essa impossível de ser respondida nas poucas horas que ainda restam de 2019:

  • O Brasil tem jeito com esses personagens que ocupam o legislativo e o judiciário?

Que 2020 seja um ano de mais respostas do que perguntas.

Bom ano novo! E que ele seja, de fato, novo.

Você pode gostar de ler também:

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.

Deixe uma resposta