0

STJ não vai sujar as mãos. Esse é um trabalho para o super STF.

STJ não vai sujar as mãos. Esse é um trabalho para o super STF.Lula já sabe que não vai se dar bem no STJ. Ainda que um Ribeiro Dantas da vida resolva querer dar mais uma demonstração de gratidão ao mundo petista, ele mesmo sabe que vai acabar pagando mico e vendo o habeas corpus de Lula ser negado novamente.

O que corre à boca miúda (leia-se em todos os jornais e jornalistas que vivem da política em Brasília) é que o acordão vai acontecer no STF, e a fórceps, porque Carmén Lúcia não está disposta a trazer para o plenário o tema da execução de pena após condenação em segunda instância. Mas essa resistência, por mais brava que seja a presidente da casa, vai ser quebrada em algum momento, especialmente se Lula estiver preso, o que deve acontecer.

O STJ cumprirá seu papel nessa novela que parece que não vai acabar nunca, mas tal como as outras instâncias, verá suas decisões serem jogadas na lata do lixo pelo STF, onde manda quem pode, obedece que tem juiz. O triunvirato do mal está assanhadamente em ação, tentando cooptar seus pares de mentes fracas e, especialmente, aqueles que tem dívidas que não gostariam de ter que pagar.

A Romaria que deu certo quando o sinistro Edson Fachin levou o habeas corpus de Lula para o plenário, não deu certo no STJ, onde, aparentemente, ninguém está disposto a colocar a pouca porção limpa que ainda tem em suas biografias limpar a barra de quem trocou a biografia por ficha corrida na justiça. Na visão deles é melhor a inimizade de Lula preso do que a amizade dele solto.

A saída pouco democrática de plantão é que se empurre a execução da pena para o STJ, mas Lula seria preso preventivamente, e ganharia liberdade pelas mãos do STF. Ouso dizer, inclusive, que essa passagem dele pela cadeia, se acontecer mesmo, fará parte de uma estratégia de martirizarão máxima, que deverá ser explorada para deixá-lo livre até o dia que entrar no caixão, e que servirá de mantra para que a esquerda tente sobreviver depois disso.

Faço questão de lembrar, mais uma vez, que o problema de Lula não se resume à condenação do tríplex. E tanto isso é verdade que enquanto escrevo esse texto surgem notícias de que, também mais uma vez, a defesa de Lula tenta afastar o juiz Sérgio Moro do caso do sítio em Atibaia, processo sobre o qual Cristiano Zanin já esgotou seu repertório de imbecilidades e que, ao que tudo indica, caminha para mais uma condenação.

Outra estratégia utilizada pra ajudar Lula não deu certo, que foi a transferência dos processos nas mãos do juiz Vallisney Oliveira da 10ª Vara Federal de Brasília para a 12ª Vara de Brasília que foi criada para casos de corrupção e lavagem de dinheiro e que tem como substituta juíza federal Pollyanna Kelly Martins Alves que, coincidentemente, é casada com o procurador da fazenda Luís Carlos Martins Alves Júnior que trabalhava na Casa Civil como assessor do subchefe de assuntos jurídicos Gustavo Rocha, ex-advogado de Cunha e de Michel Temer. Claro, outra coincidência.

Lula é apenas vítima de si mesmo, de sua ganância, de sua soberba, e de sua própria loucura.

Que ninguém espere uma surpresa amanhã do STJ. E que ninguém não se assuste com as surpresas que ainda virão do STF. Serão muitas.

Abaixo, só para relembrar, os outros processos contra Lula.

Obstrução de Justiça – denúncia do Ministério Público Federal em Brasília. Ação tocada pelo juiz Ricardo Augusto Leite, da 10ª Vara Federal da capital, e acusa o ex-presidente de ter tentado comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

África – Lula responde por corrupção passiva, tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa em um processo sobre obras da Odebrecht em Angola, na África, que corre na 10ª Vara Federal de Brasília, sob o comando do juiz Vallisney de Souza Oliveira.

Caças – A conturbada compra de caças pelo governo brasileiro também levou Lula ao banco dos réus. No âmbito da Operação Zelotes, o ex-presidente é acusado de tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa ao, supostamente, ter tentado interferir na aquisição de 36 aviões militares da fabricante sueca Saab.

Cobertura em São Bernardo e Terreno Instituto Lula – Lula é réu na Justiça Federal de Curitiba por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em um processo sobre a compra de um terreno para seu instituto em São Paulo e de um apartamento vizinho ao imóvel onde ele reside, em São Bernardo do Campo. Os dois negócios estariam ligados ao pagamento de propina pela Odebrecht.

Sítio de Atibaia – Lula responde por corrupção e lavagem de dinheiro no caso referente a um sítio em Atibaia (SP) que teria sido reformado por Odebrecht e OAS em favor da família do ex-presidente, em troca de contratos na Petrobras. O caso corre no tribunal de Sérgio Moro.

Venda de Medidas Provisórias – Por fim, o líder petista é réu por suposta venda de uma medida provisória, em 2009, que prorrogou incentivos tributários para o setor automotivo. O Ministério Público Federal diz que a lei teve como contrapartida o pagamento de mais de R$ 30 milhões em propinas para intermediários e agentes políticos.

Denúncia rejeitada pelo STF – O ex-presidente também foi denunciado pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, junto com Dilma Rousseff e ex-ministros dos governos petistas. Eles são acusados de integrar uma organização criminosa entre 2002 e 2016, supostamente liderada por Lula. A denúncia ainda não foi acatada pelo Supremo Tribunal Federal. (ANSA)

Leia também

Candidatos e anti-candidatos. Cuidado com cheque em branco.

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.