0

Quem prega medo de Bolsonaro não conhece os limites de um presidente.

Quem prega medo de Bolsonaro não conhece os limites de um presidente.Se um presidente pudesse fazer tudo o que promete, ou pensa que pode fazer, já estaríamos vivendo no estado bolivariano tão sonhado pela esquerda brasileira. Lula foi presidente duas vezes, não fez. Dilma uma vez e meia, não fez. Por que haveria, então, Bolsonaro de transformar o Brasil numa ditadura militar por causa do que promete ou do que pensa que pode fazer?

Desde sempre Lula prometeu aos eleitores um país de esquerda. Associou-se à maior quadrilha internacional de presidentes no que pode ser considerado o maior esquema internacional de corrupção envolvendo mandatários eleitos pelo povo, exceto os Castros. Todos de esquerda, eleitos por urnas eletrônicas fraudadas, campanhas e enriquecimento ilícito com dinheiro proveniente de corrupção. E tudo feito fora dos limites do que pode um presidente.

Um presidente tem limites constitucionais claros. Se não tivesse limites jamais teriam acontecido o mensalão, o Petrolão e os outros lãos que compõem as ações na justiça envolvendo executivo, legislativo e até judiciário. Não seria necessário ter maioria no congresso para votar nada, bastaria uma canetada do presidente e pronto. Mas nosso sistema não funciona assim. O presidente da república, seja ele quem for, seguida a Constituição Federal, não faz nada sem apoio do Congresso Nacional.

Querem convencer a todos que de Jair Bolsonaro é o prenúncio de um golpe militar, do massacre das minorias, o apocalipse das liberdades individuais, o incentivo à perseguição aos LGBTs, um reavivamento do racismo, o reestabelecimento de uma hierarquia machista no Brasil. E essa narrativa é construída a partir de falas isoladas, extraídas em entrevistas provocadoras ou declarações feitas em plenário.

Estão vendendo a falsa ideia de que Jair Bolsonaro está em conluio com as Forças Armadas para decretar uma intervenção militar tão logo assuma o poder. Mas ninguém se pergunta porque precisariam de Bolsonaro para fazer isso se quisessem? Dar ares de legitimidade? Não. As Forças Armadas não precisariam de Bolsonaro e nem de ninguém se quisessem intervir no Brasil. E motivos não faltaram. Mas não fizeram, e nem vão fazer.

Quem tentou legitimar o golpe foi a esquerda, e isso começou na Constituição de 1988, onde as leis permitiram o loteamento do país sob o compromisso com a agenda que nos trouxe até aqui, economicamente falidos, socialmente fatiados, moralmente nivelados por baixo.

As pessoas podem não gostar do tom de Jair Bolsonaro, um direito inequívoco, mas é justo que isso aconteça pelos motivos certos e não pelo que querem que elas acreditem, como fazem com Lula desinformando milhões de pessoas e levando elas a acreditar que Lula é inocente e que há um complô formado pela justiça, pela imprensa, pelo Ministério Público Federal, pela Polícia Federal, por ex-parceiros de crimes como Palocci, por delatores ex-parceiros de crimes como Marcelo Odebrecht e Leo Pinheiro, e, acreditem, até por bancos estrangeiros que devolvem dinheiro que nunca teria sido roubado.

Tem gente que acredita nisso. E acreditará em qualquer coisa que disserem contra Jair Bolsonaro.

Estamos entrando no momento limite de um processo eleitoral que mudará o Brasil definitivamente. Ou o país dá uma guinada rumo a moralidade administrativa, ao respeito e cumprimento das leis, ou estaremos entregues à uma esquerda revanchista que, essa sim, promete o controle dos meios de comunicação, penalização do capital e da propriedade privados, estatização, controle das forças armadas, estabelecimento de uma guarda nacional permanente (para que?).

Todos têm o direito de acreditar em tudo o que quiserem, assim como eu tenho, e exponho o que acredito. Mas temos a obrigação de acreditar ou desacreditar pelos motivos certos e não por aquilo que querem que acreditemos.

O Brasil que vivemos é o Brasil que a esquerda construiu nos últimos 33 anos. E é difícil acreditar que alguém esteja feliz com esse Brasil. Não há porque acreditar que eles farão alguma coisa melhor do que fizeram ou que esse caminho possa levar à construção de um país melhor.

Depois de 13 anos e meio do PT no poder os pobres continuam pobres, as vítimas de racismo e homofobia continuam vítimas, as vítimas de machismo continuam vítimas, os homicídios continuam aumentando, doenças erradicadas como paralisia infantil e sarampo voltam a fazer vítimas, metade do esgoto do país continuam correndo a céu aberto, a mortalidade infantil voltou a aumentar, a AIDS, o analfabetismo, o desemprego, a desesperança das pessoas…

Pense. Jair Bolsonaro não tem nada a ver com isso. Apesar de seus 27 anos como deputado, dentro desse amplo cenário político nacional ele está chegando agora. Foi o país que a esquerda construiu que fez de Bolsonaro o personagem importante que se tornou, porque é o único que se opõe a tudo que está aí. Mas, de repente você pode estar contente com o Brasil que vive. É um direito seu.

Você pode gostar de ler também

Eleições chegando. O futuro do Brasil virá do hospital ou da cadeia?

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.