0

O PT não sabe perder. As fases da cantilena petista já começaram.

Eram 17 horas quando publiquei os seguintes posts sobre o PT no Twitter, começados com o título “As fases da cantilena petista”:

Fase 1

Fase 2

Acontece que antes mesmo da apuração ter terminado, e 1 hora antes de eu publicar essas postagens, Gleisi Hoffmann, presidente do PT, já tinha ido ao Twitter e confirmado o que eu chamei de Fase 1:

Gleisi Hoffmann

Simultaneamente às minhas postagens, o que chamei de Fase 2 já se confirmava também, na figura de Guilherme Boulos, puxadinho do PT na área de invasão de imóveis urbanos:

Guilherme Boulos no Twitter - 17 hs - 28-10-2018

Conclui minhas postagens sobre a cantilena do PT da seguinte forma:

Fase 3

Bem, eles já estão tentando. Guilherme Boulos já disse que irão para as ruas nessa semana mesmo. Ou seja, daqui até a posse farão de tudo para perturbar a ordem pública e provocar as autoridades até que elas tomem alguma medida drástica que culmine em violência, de preferência com mortos e feridos, bastante se for possível.

Não haverá paz, essa é que é a verdade, porque o PT não sabe perder, porque a esquerda não sabe perder, e porque não querem perder seu bem mais valioso que é o discurso. E para que o discurso do PT e da esquerda encontre ressonância em seus seguidores eles precisam da violência policial e militar que tanto pregaram, e para isso vão provocá-la.

Sem violência, sem tanques nas ruas, sem ditadura, sem torturas, o PT e a esquerda não têm mais nada. E se precisam de mortos para concretizar suas profecias absurdas, eles mesmo providenciarão as vítimas entre os militantes que não conseguem enxergar que estarão sendo dados em sacrifício em nome de uma causa que não tem nada a ver com o Brasil e sim com poder.

Mas não podemos e nem devemos ficar concentrados apenas em Gleisi Hoffmann e Guilherme Boulos. O maior perigo de todos, e que se encontra em silêncio na mídia, chama-se MST. Com a derrota do PT, o “exército do Stedile” não ficará nos assentamentos pacificamente esperando o anúncio da política agrária de Jair Bolsonaro. Se o MTST de Boulos vai para as ruas, o MST vai para as propriedades rurais fazer novas invasões e provocar os distúrbios necessários para gerar os cadáveres e feridos que eles precisam.

Hoje, tal como no seu primeiro dia como candidato ao governo, Fernando Haddad vai à cadeia prestar contas para Lula de sua derrota. Aliás, prestar contas é só mesmo retórica, porque sua derrota era certa. Haddad vai à cadeia receber ordens e orientações para organizar a forma de agir dos tais “movimentos sociais” para, juntos, provocarem o terror necessário para que as forças de segurança reajam. E conseguirão, porque o poder público não poderá ficar inerte ao caos e o terror que eles pretendem impor ao Brasil.

Um outro nome que anda sumido e que merece extrema preocupação é José Dirceu. Certamente entre as orientações que Lula dará para Fernando Haddad estará a orientação para procurar José Dirceu, esse sim, a cabeça pensante capaz de organizar o terrorismo que o PT e a esquerda precisam para levar o Brasil a um período de medo e incerteza.

Fui chamado de “terrorista” e “pessimista” quando comecei a desenvolver essas teorias. Mas hoje mesmo uma amiga me mandou o “Manual do Guerrilheiro Urbano” de Carlos Marighella, material em pdf que está sendo fartamente distribuído por WhatsApp.

Manual do Guerrilheiro Urbano - Carlos Marighella

A justiça e as forças de segurança se verão obrigadas a tomar posição no que vem pela frente. Jair Bolsonaro quer pacificar o país. O PT e a esquerda não querem. Eles precisam desesperadamente mostrar para seus militantes e eleitores de que todo o medo imputado a Jair Bolsonaro era verdadeiro, e partirão para concretizar isso, antes mesmo de Bolsonaro tomar posse ou para que ele nem chegue a tomar posse, custe o que custar.

O PT e a esquerda não sabem perder. Não querem perder. E realmente não deixarão barato.

Você pode gostar de ler também

Lula acabou. O maior cabo eleitoral de Bolsonaro deve ir para um presídio.

 

 

 

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.