0

NÃO QUEREMOS SER UMA VENEZUELA

NÃO QUEREMOS SER UMA VENEZUELA

QUANDO REPRODUZIRMOS NO BRASIL O ATO DESSA FOTO DA VENEZUELA, NAO HAVERÁ GUARDAS BOLIVARIANOS PARA IMPEDIR, PROVAVELMENTE NEM GUARDAS. E SE APARECEREM É MAIS PROVÁVEL QUE SEJA PARA AJUDAR.

Antes de tudo, é preciso reconhecer que a esquerda venezuelana foi mais eficiente que a brasileira.

Ao contrário do PT que surrupiava clandestinamente a Petrobrás (até para financiar a própria esquerda venezuelana), Hugo Chaves tomou as chaves do caixa da PDVSA nas mãos e usou o dinheiro do petróleo como bem quis.

Enquanto o PT cooptava empresários e setores da sociedade, trocando favores e favorecimentos por propina, Hugo Chaves confrontava os setores produtivos, expropriava negócios e propriedades estrangeiras, e, simplesmente, eliminava seus opositores.

Se o PT buscava os holofotes e a admiração da mídia, convivia com ela em espúrias parcerias ideológicas e financeiras, Chaves ocupava militarmente cada veículo de comunicação que era contra o seu regime e incorporava seu sinal e editorial a uma cadeia de comunicação que só servia ao regime.

Em relação aos militares, Chaves efetivamente assumiu o comando das forças armadas, militar que era. Enquanto o PT deu-se por satisfeito em ser institucionalmente o comandante chefe dos militares brasileiros, e aproveitou sua autoridade para fazer uma guerrinha particular com seus comandados, com a tal Comissão da Verdade. Chaves não perdia tempo com isso.

Chaves era um verdadeiro líder de esquerda, da esquerda burra, que segue a mesma cartilha leninista, maoísta, hitleriana, castrista, de dizer o que o povo quer ouvir e fazer apenas o que quer fazer, pelo domínio pela força.

Lula nunca foi um líder de esquerda. Lula é e sempre foi um pilantra, oportunista. José Dirceu, o mentor intelectual de Lula é a mesma coisa, talvez pior por ser inteligente, coisa que o outro definitivamente não é. Dirceu sonhou ser Fidel, e se tivesse sucedido Lula o Brasil teria experimentado um governo de esquerda. O de Lula não foi. E o de Dilma, da esquerda burra ela só implantou o burra.

Hugo Chaves foi quase uma unanimidade na Venezuela. Lula nunca unanimidade no Brasil.

O que nos diferencia da situação venezuelana é que provavelmente despertamos antes, e Lula já recebia oposição desde a sua reeleição.

O mensalão foi o primeiro despertar de que havia algo errado. Mas insistimos no erro. E depois com Dilma. E com Dilma de novo. Mas, golpe ou não golpe, ou meio golpe, ou pretenso golpe, ela foi apeada da presidência usando a constituição – fatiada, é verdade, mas a favor dela e não do Brasil.

O povo venezuelano, demorou demais para se dar conta do tamanho do buraco em que tinha se enfiado, e agora está pagando o preço para sair dele. E por lá, Maduro não fatia nem rasga a constituição, ele elimina a velha e faz uma nova, a constituição do ex-trocador de ônibus.

Nós estamos espertos. E podemos e ficaremos ainda mais espertos. Por isso não seremos nunca o que a Venezuela é hoje. Mas, oremos, vigiemos e atentemos!

 

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.