0

MORO APLICOU A PROVA DOS NOVE

E MOSTROU QUE VIVEMOS NUM ESTADO DE DIREITO, NÃO DE ESQUERDO.

Hoje entendo melhor como algumas sentenças judiciais tornam-se peças jurídicas que serão estudadas por anos a fio. Não é pelo que sentenciam, ou pela pena aplicada, mas pelo como sentenciam e daí o porquê da pena.

A sentença que condena Lula a 9 anos e meio de prisão, com 238 páginas, traz como recado objetivo que vivemos num Estado de Direito e que a lei vale para todos, mesmo quando não é aplicada no momento que poderia. E vale a pena ressaltar esse “poderia”, porque ele determina claramente que foi uma opção, exatamente pela manutenção do Estado de Direito.

Não prender naquele momento foi uma opção que custou caro à Lava Jato e ao juiz Sérgio Moro. Afinal, foram eles que criaram essa expectativa na população. Mas um caro, hoje, mais, compreensível, por entender a conjuntura que envolve uma decisão dessas.

Ontem e hoje, vendo e lendo a reação de petistas e lulistas, fica fácil imaginar o que eles teriam feito um ano atrás. Sem as outras tantas delações que, de lá para cá, incriminaram Lula em outros inúmeros casos de corrupção, e esvaziaram o discurso mentiroso que teria sido usado naquele momento, eles teriam quebrado o país, literalmente.

Sérgio Moro não foi apenas paciente. Foi visionário. E deu a quantidade de corda que Lula e seus advogados quiseram para que a enrolassem em seus próprios pescoços. E eles não tiveram dó de fazer isso consigo mesmos. Porque ainda não entenderam que a lei realmente tem que valer para todos.

Para quem não sabe o que é a prova dos nove, consiste de uma regra matemática para aferir cálculos feitos à mão. Em síntese, e num exemplo simplíssimo de sua aplicação, para conferir se 1+8=9, subtrai-se do resultado o 9 (daí o noves fora). Se a conta de zer0, o resultado está correto.

Foi o que Sérgio Moro fez na sua sentença. Ele provou que “noves fora” não teria havido triplex, pagamento de propina ou esquema de arrecadação de dinheiro ilícito por diversas fontes. O mesmo “noves fora” que vai comprovar que sem Lula não teria havido o maior esquema de corrupção da história da humanidade.

A história, de seu lado, até pode apresentar resultados errados ou falseados. A matemática não mente.

O que o Brasil espera agora é o “nove” fora de circulação, vendo o sol nascer quadrado num presídio qualquer do Brasil, onde, quem sabe, apesar de poli “doutor honoris causa” por tantas universidades do mundo, possa, finalmente, aprender a ler e escrever.

 

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.