0

LULA VAI PARA O CONFRONTO

 

É CALÇA DE VELUDO OU BUMBUM DE FORA

A recusa de Lula de ser interrogado pelo juiz Sérgio Moro via videoconferência é simples: não causa comoção.

Estar frente a frente com Moro é um covarde ato de coragem. Ou seria um corajoso ato de covardia?

Lula não quer estar à frente de Sérgio Moro, sabe que terá diante de si um juiz com fortes convicções e fartíssimo material comprobatório, difícil de enganar, até porque nem tem mais o que enganar. Mas precisará estar ali para se mostrar forte para o seu eleitorado.

O palco é de Sérgio Moro, e Lula ainda acredita que Curitiba possa ser invadida pela militância tal qual aconteceu a invasão corintiana no Rio de Janeiro em 1976, num jogo contra o Fluminense. Todos dispostos a gritar palavras de ordem, atacar Sérgio Moro e defendê-lo até a morte – de quebra, também tal qual fez a torcida corintiana, dando calotes nos restaurantes de parada ao longo da estrada à caminho do Rio.

Outra estratégia possível, a até provável, é a tentar tirar Sérgio Moro do sério, de maneira que surta pelo menos o efeito do juiz se mostrar destemperado em alguns momentos, o que Cristiano Zanin tem certa habilidade em fazer. E, quem sabe, porque não, até mesmo Lula ou Zanin desacatar Moro para forçá-lo a ser enérgico. Ouso pensar na hipótese de tentarem provocar uma prisão ali na hora.

Lula está até disposto a ser preso, mas desde que seja como mártir, como vítima da arbitrariedade de um juiz que pode ter se ofendido com uma palavra ou uma frase. Mas não pelo conjunto de seus atos. Ele precisa da vitimização, ele precisa que o mundo saiba que estão sendo injustos com um ex-presidente que só se preocupou com o povo e ganhou alguns milhões – há quem diga bilhões, com isso.

Quando Jânio Quadros renunciou em 1961, ele imaginou que voltaria para o Planalto carregado pelos braços do povo. Lula tenta voltar ao Planalto para não ser carregado para a cadeia levando chutes do povo. Cada doido com sua mania.

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.