0

Lula quer uma revolução. E sonha ser resgatado por ela.

Lula quer uma revolução. E sonha ser resgatado por ela.Que final mais épico do que Lula, O Primeiro, ser resgatado do calabouço e, carregado nos braços do povo, ser ungido a Imperador do Brasil, ou Comandante, liderando um levante que finalmente implantará o socialismo no país. Um lindo filme para suceder a Lula, o filho do Brasil. E deve ser essa a única aflição que ele passa nos 15 metros quadrados de sua cela, olhando a janela e perguntando a si mesmo: quando eles vêm?

Apenas uma mente doentia, apoiada por mentes doentias, e por pessoas de moralidade duvidosa e sem moralidade alguma.

A maioria dos governadores, senadores, deputados e políticos que se aglomerados na porta da Polícia Federal tem envolvimento com a corrupção. Se Sérgio Moro passasse a peneira ali era capaz de sobrar apenas a imprensa.

O que o MST faz em Curitiba? Que pressão é essa? Que ameaça é essa? Lula não é santo, a sede da Polícia Federal em Curitiba não é santuário e o povo do MST não está fazendo romaria. Essa movimentação e essa concentração de sem-terra tem objetivos, com as devidas ameaças. Lula quer uma revolução. Lula quer se sentir o Imperador do Brasil, ou o Comandante, porque ele acredita que é.

Por outro lado, as palavras do General Luiz Gonzaga Schroeder Lessa, em entrevista ao jornalista Milton Cardoso, na Band, na manhã desta terça-feira, deixam absolutamente claro, com todas as palavras, letras, vírgulas e pontos que a disposição para aturar essa utopia chegou ao fim. E ele, corretamente, dirige suas palavras ao Supremo Tribunal Federal que é a instituição que vem, de fato, promovendo a desordem no Brasil ao se permitir, há décadas, ser usada pelos interesses de corruptos de todos os partidos em detrimento de sua função de proteger a constituição, a qual deturpa de acordo com o bandido do dia.

Lula não é um preso político. Lula é tão somente um político preso pelos crimes que cometeu, e está condenado em apenas um deles. Não há injustiça alguma em punir um criminoso condenado, seja lá qual for o seu crime. A coexistência em sociedade só é possível quando existem leis e elas são igualmente cumpridas por todas as camadas do tecido social.

Está nas mãos do Supremo Tribunal Federal colocar um fim nessa novela mexicana que se tornou o fim decadente de Lula, do PT e da esquerda brasileira. Está nas mãos dos onze ministros a decisão, mas diretamente nas mãos de Marco Aurélio Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e Dias Tóffoli a responsabilidade sobre os acontecimentos. E, mais uma vez, nas mãos de Rosa Weber decidir se está em consonância com a sociedade ou com a forma deturpada com que a Constituição Federal vem sendo tratada.

Os cinco ministros citados já são responsáveis diretos pela insegurança jurídica projetada que o Supremo Tribunal Federal projeta interna e externamente. Inúmeras decisões, especialmente da Segunda Turma, da qual fazem parte quatro desses ministros, além de decisões monocráticas proferidas por eles, concedendo habeas corpus, pedindo vistas intermináveis, recusando e arquivando denúncias da Procuradoria Geral da República, fatiando ou reinterpretando a Constituição Federal de acordo com os réus em questão. Eles inclusive os chamam réus de “pacientes”. Na verdade, pacientes somos nós.

O quinteto do mal quer libertar Lula da prisão. E a menos que alguém revele algum dia com exatidão, só podemos imaginar o motivo de tanto empenho. E imaginamos que o motivo, ou os motivos, devem ser muito, muito expressivos, pois para libertar Lula eles estão dispostos a libertar todos os presos após condenação em segunda instância, entre os quais há outros políticos corruptos, mas, sobretudo, assassinos, assaltantes, estupradores e pedófilos, que formam o grande contingente de presos nessa circunstância.

Os ministros do STF estão dispostos a devolver para as ruas, para a convivência com a sociedade, todo tipo de escória que o Brasil conseguiu produzir, especialmente nos 13 anos de governo do PT, quando a segurança pública foi ignorada, a população foi desarmada e a criminalidade chegou a limites nunca antes imaginados nesse país.

Enquanto escrevo este texto, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal acaba de mandar Sérgio Cabral de volta para o Rio de Janeiro, um bandido condenado a mais de 100 anos de cadeia e que foi transferido para Curitiba por usufruir de mordomias e continuar exercendo influência nas pessoas e nos fatos fora da cadeia. É a escória da justiça defendendo a escória da política, e por tabela, se defendendo.

A ideia maluca de uma revolução para salvar Lula só é possível ser imaginada porque nosso Supremo Tribunal Federal tem dado seguidas demonstrações de que é capaz de coisas inimagináveis. As vozes que se rebelam na corte não têm se demonstrado fortes o suficiente para impedir que esse golpe baixo seja dados no povo através da adulteração na interpretação da nossa constituição.

Mesmo assim, com todos os esforços para que tudo fique “como d’antes no quartel de Abrantes”, políticos corruptos, PT, MST, esquerda e Supremo Tribunal Federal, para que o golpe se consume, será preciso passar por cima do povo brasileiro e, principalmente, pelas forças constituídas para proteger o Brasil de seus inimigos internos e externos, e os recados tem sido dados à exaustão. Que paguem para ver. Nós já estamos pagando.

Lula quer uma revolução? Talvez ele consiga uma. Mas, ao contrário do que espera, será esmagado com ela, esperamos que, dessa vez, definitivamente.

Você pode gostar de ler também

Fim do foro privilegiado, uma mentira que contaram e nós acreditamos

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.