0

A Lava Jato do povo completa 4 anos com 118 julgados e condenados

A Lava Jato do povo completa 4 anos com 118 julgados e condenadosA Lava Jato do Supremo Tribunal Federal, nos mesmo 4 anos, não julgou ninguém, muito menos condenou.

Foi no dia 17 de março de 2014 que o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba deu início ao que ficou conhecido como Operação Lava Jato.

Iniciada num posto de gasolina onde também onde se descobriu a movimentação de dinheiro ilícito, a Lava Jato abriu a caixa preta da podridão do sistema político brasileiro, expondo, um a um, seus personagens, e tornando público o tamanho da desgraça brasileira. Não que muitos nomes não fossem conhecidos ou imagináveis, mas, mesmo sendo, a exposição destes nomes associadas à valores, obras e a ineficiência do estado fizeram com que o brasileiro tivesse a verdadeira dimensão do que é a corrupção na política brasileira e como ela opera.

Se no início o foco da Lava Jato era a corrupção na Petrobrás, pouco a pouco foram sendo descobertos e revelados escândalos sucessivos em todas as esferas da administração pública, envolvendo diversas estatais, ministérios e bancos públicos. A sujeira revelou também que não apenas o PT era beneficiário da corrupção que foi se tronou sistêmica a partir do governo Lula, mas também o PMDB e o PP, e quase todos os partidos, mais da metade políticos presentes no Congresso Nacional, e políticos no governo federal, nos governos dos estados, nas assembleias legislativas, prefeituras e câmaras municipais. Pior que isso, a propina oriunda da corrupção no Brasil financiou e interferiu em processos eleitorais de outros países da América do Sul.

E não bastasse a classe política totalmente contaminada pela corrupção, a Lava Jato também colocou às claras a participação ativa de importantíssimos empresários de quase todos os setores da economia, inclusive o setor bancário, que se revezaram no papel de corruptores e corrompidos, expondo como nunca antes nesse país a profundidade e o cheiro do esgoto que se tornou a política nacional depois da redemocratização.

Até outubro de 2017, o juiz Sérgio Moro, da Lava Jato em Curitiba, já havia condenado 109 pessoas envolvidas com corrupção, entre doleiros, operadores, ex-funcionários de estatais, ex-ministros, ex-deputados e ex-governadores. Só Sérgio Cabral o juiz Marcelo Bretas, da Lava Jato no Rio de Janeiro, já condenou 5 vezes, cujas penas somadas chegam a impressionantes 100 anos

Nesse mesmo período, o Supremo Tribunal Federal não condenou nenhum, nem sequer julgou algum. Há grande participação do STF na Lava Jato se deu mesmo foi através da concessão de habeas corpus que soltaram diversos bandidos, da recusa em homologar determinadas delações premiadas, de rejeições de denúncias da PGR, e do arquivamento de denúncias contra parlamentares. Nenhum, unzinho só que fosse, político com foro privilegiado foi sequer julgado pelo STF.

Enquanto a Lava Jato do povo faz um serviço impagável para a população brasileira, não se sabe o quanto são impagáveis são os serviços da Lava Jato realizado nos gabinetes do STF. A primeira e segunda instâncias investigam, julgam e condenam. O STF não investiga, não julga e não condena ninguém.

O papel do Supremo Tribunal Federal é vergonhoso. É vergonhoso na sua composição, na sua atuação, nas suas interferências, nas suas sentenças, no descompasso com os verdadeiros anseios por mudanças, fortemente simbolizadas na expectativa de ver na cadeia políticos que, há décadas, fazem dos cofres públicos seu parque de diversões.

Existe uma compreensão possível para a “lerdeza” do STF, uma vez que a Suprema Corte não é uma instância criminal. Mas não é compreensível que a atuação de muitos dos ministros sirva apenas para proteger políticos e empresários corruptos, interpretando e reinterpretando a Constituição Federal de acordo com o condenado do dia.

O processo do fim do foro privilegiado, paralisado por um pedido de vista do ministro Dias Tóffoli quando o placar de 8 a 1 já garantia uma derrota para a classe política envolvida com corrupção, é uma demonstração clara do papel que a mais importante instância judiciária nacional trabalha a favor da manutenção do sistema e da proteção dos corruptos que necessitam desse foro privilegiado para não cair nas mãos de juízes que julgam e condenam.

Quatro anos de Operação Lava Jato. E não se lavou nem um décimo da sujeira.

Muita coisa ainda precisa ser lavada nesse país, a começar pelos corredores e gabinetes mais poderosos do país.

Leia também

Brasileiros, falemos de nós. Que país queremos? Pra quando queremos?

 

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.