0

José Dirceu quer “tomar o poder sem eleição”. O STF finge não ver.

José Dirceu quer "tomar o poder sem eleição". O STF finge não ver.Quem, em sã consciência, acredita que José Dirceu está viajando o Brasil num ônibus alugado por sua editora para lançar seu livro de memórias? A imagem que ilustra esse texto em nada parece com uma noite de autógrafos, mesmo que um banner “safado” sirva de pano de fundo para isso.

José Dirceu é um homem condenado a mais de 30 anos em segunda instância. Tal qual Lula, deveria estar preso. Mas não está. E muito menos está viajando o Brasil para lançar livro. O que vemos, quase que diariamente, são notícias de reuniões dele em sindicatos e eventos de esquerda por onde passa, apregoando o ódio, a revolta, a desobediência às leis.

Os responsáveis diretos por isso são Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Tóffoli, atual presidente do Supremo Tribunal Federal.

Querem aval melhor do que esse? Um condenado solto pelo país apregoando uma revolução armada?

“É uma questão de tempo para a gente tomar o poder. Aí nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição”. Essa foi a frase dita por ele em uma entrevista ao El País. E disse mais. “Que a elite reze para ele fique longe do governo.”

Essas são apenas duas afirmações de uma entrevista mentirosa, rancorosa e ameaçadora.

José Dirceu em cima de carro em 1967José Dirceu é uma ameaça ao Brasil, como era em 1967 e 1968, a ponto do regime militar, instaurado exatamente para combater o socialismo/comunismo liderado por ele, Dilma e outros terroristas, ter decretado o AI5 como única forma de higienizar o país naquele momento sombrio.

E o que significa, então, a declaração de que “vamos tomar o poder sem eleição”? Que José Dirceu já está organizando as milícias de esquerda para tentar fazer agora o que não conseguiu na década de 1960.

E o que fazem os ministros do STF que soltaram esse condenado, que já foi preso 3 vezes, por terrorismo, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha? NADA.

O Supremo Tribunal Federal assiste passivamente o condenado José Dirceu – solto LIMINARMENTE por ele – ameaçar tomar o Brasil através de um levante popular, ou de uma revolução, ou de um golpe, como se nada estivesse acontecendo.

O maior inimigo do Brasil, no entanto, não é José Dirceu, mas o Supremo Tribunal Federal, nas pessoas de Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Tóffoli.

Ricardo Lewandowski é, sem sombra de dúvida o mais petista dos ministros do STF, ainda que seja Gilmar Mendes o “abridor oficial” das portas das cadeias para bandidos da estatura de José Dirceu. E Dias Tóffoli só faz o que eles mandam.

Contrariando a lógica, o bom senso, a opinião da Procuradoria Geral da República, Lewandowski, desavergonhadamente, liberou as entrevistas com Lula exatamente na reta final das eleições de primeiro turno, e não fez isso em nome da liberdade de imprensa, como justificou Raquel Dodge quando anunciou que a PGR não iria recorrer da decisão do ministro.

O que Lewandowski queria era colaborar no tumulto que a esquerda está preparando, já antevendo que Jair Bolsonaro mantém a folgada vantagem que tem dos outros candidatos no primeiro turno. Só que, havia um Luis Fux no meio do caminho. O ministro Fux, na noite de ontem, proibiu liminarmente que se faça qualquer entrevista com Lula, ou que se publique qualquer material já coletado nesse sentido, até que o plenário do STF vote essa ação.

Fica claro e evidente que o ministro Ricardo Lewandowski tentou colaborar para interferir no processo eleitoral. Assim como também é claro e evidente que José Dirceu não está fazendo nenhum tour de lançamento de livro, mas está liderando a organização de um golpe de esquerda que, muito provavelmente, será dado a se confirmar a eleição de Jair Bolsonaro para presidente do Brasil.

Se olharmos os fatos cronologicamente, veremos que todos os movimentos mais agudos do PT e da esquerda se deram nos momentos em que José Dirceu esteve fora da cadeia, como é o caso agora, porque não existe ninguém no PT e na esquerda com essa capacidade maligna de organizar tumultos, revoltas e ações como a tentativa de soltura de Lula por Rogério Favreto do TRF4 ou a tentativa de assassinato de Jair Bolsonaro.

Junto com Lula, José Dirceu é o maior câncer da história política brasileira, e câncer só se trata com dosagens muito fortes de quimioterapia, extirpação do órgão afetado, sendo que muitas e muitas vezes isso não surte o efeito esperado, restando aguardar a morte do paciente.

A pergunta é: até quando teremos e aturaremos um Supremo Tribunal Federal que dá aval para criminosos perigosos (e José Dirceu é um criminoso perigoso) continuarem a agredir e ameaçar as instituições e o povo brasileiro? Tecnicamente, nem a entrada de Bolsonaro muda isso, um presidente não tem poder de destituir um ministro do STF.

Ao contrário, no entanto, o STF tem todos os poderes e ferramentas para infernizar a vida de um presidente da república, especialmente se na sua composição continuarmos a ter pessoas como Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Dias Tóffoli e Marco Aurélio Mello, e principalmente tivermos na presidência um político como Jair Bolsonaro.

O povo brasileiro precisa decidir de que lado está, porque os ministros do STF já decidiram, e José Dirceu, por enquanto, continua dando só entrevistas, mas sabemos que ele é capaz de muito mais do que isso.

Você pode gostar de ler também

Geraldo Alckmin, o vexaminoso candidato que matou o PSDB. Graças a Deus.

 

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.