0

A ESTRANHA PASSAGEM DE EDUARDO CUNHA POR BRASÍLIA

ELE FOI LÁ SÓ PARA DEPOR PARA O JUIZ VALISNEY? SÓ PARA ISSO MESMO?

Os advogados de Eduardo Cunha peticionaram para que ele fosse à Brasília para ser interrogado pelo juiz Vallisney em um dos muitos processos que correm contra ele. O juiz Valisney bancou, Sérgio Moro também bancou. Seriam três dias em Brasília.

Mas, pelo acaso dos acasos, e por uma conveniência da logística da Polícia Federal, o mesmo avião que levou Joesley Batista para São Paulo foi à Curitiba, pegou Eduardo Cunha e o levou para Brasília com quase uma semana de antecedência, de maneira que ele passou o fim de semana numa cela da PF na capital federal. Faz sentido, não faz?

Lúcio Funaro entregou o que pode (ou foi conveniente) e isso implica diretamente Eduardo Cunha, que seria o “sub” de Michel Temer no comando da ORCRIM do PMDB, além do próprio Michel Temer.

Geddel Vieira Lima é um delator que apenas não delatou ainda. O fará se nenhum habeas corpus de ofício por encomenda tirá-lo da cadeia.

Isso tudo aconteceu no meio de mais uma discussão intensão sobre a troca de comando na Polícia Federal, assunto que era uma prioridade do ministro da justiça Torquato Jardim e de toda a tropa de choque de Temer no Planalto. Só que, de repente, não mais que de repente, não só deixou de ser prioridade como uma nota do governo informa que a troca não será mais feita nesse momento.

Hoje, assume Raquel Dodge na PGR, de quem muita gente espera muito. Uns, do povo, na expectativa de que ela erá a verdadeira justiceira imparcial e que irá limpar as “lambanças” feitas por Rodrigo Janot. Outros, do governo, querem apenas que ela desfaça o que incrimina o governo, e que de resto não faça nada para que as coisas avancem além daqui.

Então, volto à Eduardo Cunha e pergunto: se alguém quisesse fazer uma visita sorrateira a ele, na calada da noite, ou até mesmo do dia, seria mais fácil que isso acontecesse com ele preso em Curitiba ou preso em Brasília?

Se alguém precisasse de uma oportunidade para bater um papo com Eduardo Cunha para acertar alguns detalhes sórdidos, um hora seria suficiente? Ou duas? O voo de um jatinho de Curitiba para Brasília demora ao menos duas horas e meia. Como Eduardo Cunha ainda voltará para Curitiba, só de tempo de voo serão ao menos cinco horas para papear com ele.

Lúcio Funaro e Geddel Vieira Lima sabem muito sobre Eduardo Cunha e Michel Temer. Mas Eduardo Cunha sabe muito sobre ele.

Que ninguém se espante caso, nos próximos dias ou semanas, acontecerem mudanças radicais nos rumos de assuntos relacionados a esses personagens.

Teoria da conspiração? Imaginação fértil?

Num país onde a política real faz do seriado americano House of Card uma caricatura bizarra do que é possível se fazer na briga pelo poder, convenhamos, essa semana brasiliense de Eduardo Cunha soa, no mínimo, muito estranha.

No Ponto Do Fato