0

Dias Tóffoli assume hoje. Ninguém representa o STF melhor do que ele.

Dias Tóffoli assume hoje. Ninguém representa o STF melhor do que ele.Em poucos momentos Antônio Dias Tóffoli será o primeiro bacharel em direito – que nunca foi promotor, que nunca passou num concurso público para juiz de primeira instância – a ocupar a presidência do Supremo Tribunal Federal. Algo como elegerem o coroinha para Papa. Mas fizeram, e é ele que vai pautar a vida do judiciário brasileiro nos próximos 2 anos.

O advogado do PT, assessor de José Dirceu, libertador de José Dirceu, parceiro de primeira hora de Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski na farra das solturas da Segunda Turma, autor da autorização para que o inelegível ex-senador e parceiro do bicheiro Carlinhos Cachoeira, Demóstenes Torres, concorra nessas eleições, passará a ser a terceira maior autoridade do país, e, eventualmente, se sentará na cadeira da presidência da república.

E não esqueçamos que em 2014 era Dias Tóffoli o presidente do TSE que ficou trancado sozinho na sala de apuração nos 20 minutos finais da eleição, quando alguns veículos de comunicação já tinham até dado a vitória para Aécio Neves (que ainda bem não ganhou, talvez devêssemos até agradecer ao ministro por isso).

Se Renato Russo estivesse vivo provavelmente não perguntaria mais que país é esse, mas que país será esse.

Reportagem da Revista Veja revelou envolvimento de Dias Tóffoli com a construtora OAS. Ele foi delatado por Léo Pinheiro, o mesmo delator da mesma construtora que cuidou do tríplex de Lula e do sítio de Atibaia. Abafaram o caso. Até o momento ficou por isso mesmo.

A Revista Crusoé revelou em reportagem recente que o novo presidente do STF recebe todo mês o valor de R$ 100.000,00 (CEM MIL REAIS) do escritório de sua mulher, cuja carreira deslanchou depois que ele foi para a corte. O dinheiro é depositado na conta de um banco que tem uma única e escondida agência no segundo andar de um edifício comercial de Brasília, e é movimentada por procuração por um funcionário seu. E até o momento ficou por isso mesmo.

O que esperar de Dias Tóffoli? Nada além de continuar cumprindo com a agenda dos seus protegidos e obedecer às diretrizes de Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, seus mentores. Por melhor que sejam seus assessores e auxiliares, seria muito esperar alguma coisa dele.
Em suas falas recentes o bacharel tem dito que não pautará temas polêmicos em 2018, como a questão da prisão após condenação em segunda instância. Mas será que não pautará mesmo? Alguém consegue confiar em Dias Tóffoli?

Mas essa não é a pior parte. Dias Tóffoli tem 50 anos de idade, de modo que se ele não renunciar às bocas livres a que um ministro do STF tem direito, ainda o teremos por lá por mais 25 anos, podendo ser presidente novamente pelo menos umas 2 ou 3 vezes.

O certo é que os governos petistas, responsáveis por 7 dos atuais ministros do STF (como se os outros 4, indicados por Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer fossem muito melhores) praticamente transformaram o STF numa banca pública de “ministros-advogados” que estão ali para defende os corruptos e a impunidade, não por favor ou gratidão, mas porque são parte integrante do sistema.

A única boa notícia que tiramos da posse de Dias Tóffoli é que a ministra Cármen Lúcia assume seu lugar na Segunda Turma do STF, o que nos dá a esperança de que pelo menos a farra dos habeas corpus e solturas deslavadas, que eram garantidas pela maioria que o bacharel formava com Gilmar e Lewandowski, vá acabar.

Mas existe um motivo relevante que acaba por tornar Dias Tóffoli a pessoa certa na hora certa para assumir a mais importante cadeira do judiciário brasileiro. O STF se apequenou de tal maneira nos últimos 5 anos que não caberia mesmo um presidente maior do que esse.

Você pode gostar de ler também

Antônio Dias Tóffoli. A cadeira mais mal ocupada do Supremo Tribunal Federal

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.