0

Dias Tóffoli assume hoje. Ninguém representa o STF melhor do que ele.

Dias Tóffoli assume hoje. Ninguém representa o STF melhor do que ele.Em poucos momentos Antônio Dias Tóffoli será o primeiro bacharel em direito – que nunca foi promotor, que nunca passou num concurso público para juiz de primeira instância – a ocupar a presidência do Supremo Tribunal Federal. Algo como elegerem o coroinha para Papa. Mas fizeram, e é ele que vai pautar a vida do judiciário brasileiro nos próximos 2 anos.

O advogado do PT, assessor de José Dirceu, libertador de José Dirceu, parceiro de primeira hora de Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski na farra das solturas da Segunda Turma, autor da autorização para que o inelegível ex-senador e parceiro do bicheiro Carlinhos Cachoeira, Demóstenes Torres, concorra nessas eleições, passará a ser a terceira maior autoridade do país, e, eventualmente, se sentará na cadeira da presidência da república.

Sua insatisfação pode gerar resultados. Crie um Blog agora mesmo!
Quero mais informações, ou para começar agora, clique aqui.

E não esqueçamos que em 2014 era Dias Tóffoli o presidente do TSE que ficou trancado sozinho na sala de apuração nos 20 minutos finais da eleição, quando alguns veículos de comunicação já tinham até dado a vitória para Aécio Neves (que ainda bem não ganhou, talvez devêssemos até agradecer ao ministro por isso).

Se Renato Russo estivesse vivo provavelmente não perguntaria mais que país é esse, mas que país será esse.

Reportagem da Revista Veja revelou envolvimento de Dias Tóffoli com a construtora OAS. Ele foi delatado por Léo Pinheiro, o mesmo delator da mesma construtora que cuidou do tríplex de Lula e do sítio de Atibaia. Abafaram o caso. Até o momento ficou por isso mesmo.

A Revista Crusoé revelou em reportagem recente que o novo presidente do STF recebe todo mês o valor de R$ 100.000,00 (CEM MIL REAIS) do escritório de sua mulher, cuja carreira deslanchou depois que ele foi para a corte. O dinheiro é depositado na conta de um banco que tem uma única e escondida agência no segundo andar de um edifício comercial de Brasília, e é movimentada por procuração por um funcionário seu. E até o momento ficou por isso mesmo.

O que esperar de Dias Tóffoli? Nada além de continuar cumprindo com a agenda dos seus protegidos e obedecer às diretrizes de Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, seus mentores. Por melhor que sejam seus assessores e auxiliares, seria muito esperar alguma coisa dele.
Em suas falas recentes o bacharel tem dito que não pautará temas polêmicos em 2018, como a questão da prisão após condenação em segunda instância. Mas será que não pautará mesmo? Alguém consegue confiar em Dias Tóffoli?

Mas essa não é a pior parte. Dias Tóffoli tem 50 anos de idade, de modo que se ele não renunciar às bocas livres a que um ministro do STF tem direito, ainda o teremos por lá por mais 25 anos, podendo ser presidente novamente pelo menos umas 2 ou 3 vezes.

O certo é que os governos petistas, responsáveis por 7 dos atuais ministros do STF (como se os outros 4, indicados por Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer fossem muito melhores) praticamente transformaram o STF numa banca pública de “ministros-advogados” que estão ali para defende os corruptos e a impunidade, não por favor ou gratidão, mas porque são parte integrante do sistema.

A única boa notícia que tiramos da posse de Dias Tóffoli é que a ministra Cármen Lúcia assume seu lugar na Segunda Turma do STF, o que nos dá a esperança de que pelo menos a farra dos habeas corpus e solturas deslavadas, que eram garantidas pela maioria que o bacharel formava com Gilmar e Lewandowski, vá acabar.

Mas existe um motivo relevante que acaba por tornar Dias Tóffoli a pessoa certa na hora certa para assumir a mais importante cadeira do judiciário brasileiro. O STF se apequenou de tal maneira nos últimos 5 anos que não caberia mesmo um presidente maior do que esse.

Você pode gostar de ler também

Antônio Dias Tóffoli. A cadeira mais mal ocupada do Supremo Tribunal Federal

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.