0

Deputados só se preocupam com presos incomuns, os comuns que se…

Deputados só se preocupam com presos incomuns, os comuns que se...Procure no Google por quaisquer termos de pesquisa que envolvam visitas de deputados a presídios, a fim de constatar as condições dos encarcerados. Vai encontrar visitas de senadores à Lula, visitas de filhos de deputados a pais presos, como o filho de Cabral, a filha de Garotinho, o filho de Jorge Picciani, visitas a Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha, Eduardo Henrique Alves, mas terá que procurar com muita vontade para encontrar uma comissão que tenha ido, por exemplo, visitar o Presídio de Pedrinhas, no Maranhão. Mal, mal, encontrará alguma comissão deputados de direitos humanos.

As visitas para Lula, no fim das contas, têm mesmo a finalidade de “causar”, verbo tão na moda quando se trata de aparecer e fazer barulho, sejam elas de senadores, deputados, advogados, Dilma ou de políticos e candidatos de esquerda, até mesmo do argentino Nobel da paz. Lula precisa deles tanto quanto eles precisam de Lula.

Decorridas duas semanas e dois dias, cada dia que Lula passa na cadeia significa um dia mais perto da cadeia para deputados, senadores e políticos envolvidos na Lava Jato. Se Lula ficar preso, como se espera que fique, não haverá discurso que sustente sua inocência. E a forma como ele aparece na mídia é tão importante e reveladora que seus advogados já preparam trocentos recursos para que ele não seja transferido para um presídio comum, que é o lugar de presos comuns como ele.

Para as pretensões de quem quer se livrar da chance de ser preso, a possibilidade da ida de Lula para um presídio comum funciona como um alarme sonoro que soa repetidamente em suas cabeças dizendo “se Lula foi preso, você pode ir também”.

Toda essa movimentação em torno da prisão de Lula é para causar notícias, e a estratégia é que os absurdos são solicitados sabendo-se que serão negados, exatamente por serem absurdos, e transformados em notícias que falarão do cerceamento de Lula no cárcere, ou da “masmorra” citada na tribuna do Senado por Renan Calheiros, que nem em Curitiba foi. Do seu lado, a mídia ecoa tudo o que diz respeito à prisão de Lula. Até mesmo a foto da Kombi que leva a quentinha com a comida de Lula e dos outros detentos estampou notícias em diversos jornais.

Todo esse barulho, além de uma possível e questionável pressão política e midiática sobre a justiça, tem também o objetivo de fazer parecer que o povo brasileiro está ao lado do condenado, quando na verdade não se viu pelo país nenhuma manifestação espontânea que reunisse mais de meia dúzia de gatos pingados, e até mesmo manifestações pode-se contar nos dedos. A única coisa que vimos até agora foram manifestações pagas a “mortadólares” com dinheiro sabe-se lá vindo de onde.

A mídia internacional simplesmente não dá bola para as versões fantasiosas que a mídia brasileira ajuda a espalhar e trata Lula como um político corrupto justamente preso. Políticos internacionais que se manifestam são todos basicamente de esquerda, como a falida esquerda italiana, a moribunda esquerda francesa, a cansada esquerda trabalhista inglesa e gente como José Sócrates, ex-primeiro ministro de Portugal que responde a 31 processos por corrupção no seu país, alguns deles que, inclusive, se entrelaçam com crimes relacionados à Lava Jato.

O Brasil tem mais de 700 mil presos, sendo que mais de 200 mil deles presos preventivamente, sem sequer uma sentença condenatória em primeira instância, alguns há anos aguardando o julgamento de um habeas corpus no próprio STF, que não teve pudor de passar o habeas corpus de Lula na frente de mais de 5 mil pedidos já empoeirados nos escaninhos dos ministros.

Mas, senadores e deputados, assim como juízes de primeira e segunda instância, e do STJ e do STF, estão preocupados com um preso incomum, e incomum pelo fato de ter sido preso, porque em relação aos crimes que cometeu é tão comum quanto qualquer criminoso que faça parte da população carcerária brasileira.

Lula precisa ser transferido para um presídio comum, como qualquer preso comum, para que se torne também comum na cabeça das pessoas que não existe ninguém acima da lei, nem ele, nem deputados, senadores, governadores, prefeitos, ministros, vereadores e juízes de todas as instâncias. Nenhum político corrupto ou partido merece complacência do povo e da justiça pelo que eventualmente tenha feito de bom ao país. Nenhum bom desempenho serve como justificativa ou, anuência, à criminalidade do colarinho branco ou à criminalidade comum. Que a cadeia acolha a todos igualmente.

Que fiquem os deputados preocupados e criando factoides, e a mídia dando cobertura a essas aberrações políticas e jurídicas que empunham bandeiras, microfones e megafones dando bom dia e boa noite a um condenado a 12 anos e 1 mês de cadeia, por enquanto, por comandar o maior esquema de corrupção da história desse país e, há quem diga, do mundo.

O dia que Lula se incorporar ao sistema penitenciário, cumprindo pena junto às centenas de milhares de presos preventivos e condenados, a maioria tão criminosos quanto ele, poderei pensar em me preocupar com as questões humanitárias que envolvem todos. Por enquanto, Lula que se…

Você pode gostar de ler também

Gleisi Hoffmann. Ela quer explodir o Brasil com todo mundo dentro.

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.