0

Bolsonaro e Moro versus o antigoverno do PT. Assim será 2019.

Bolsonaro e Moro versus o antigoverno do PT. Assim será 2019. Foi assim contra Sarney, Collor e Fernando Henrique. Porque seria diferente com Bolsonaro?

Antes da prática de corrupção se tornar sua maior especialidade, o PT era especialista em antigoverno. Da redemocratização em 1985 até o dia da posse de Lula, tudo que o PT fez foi para tumultuar o ambiente político: criar instabilidades, provocar greves, protestos, criar celeumas no Congresso Nacional, votar contra tudo que não viesse da esquerda, apresentar seguidos pedidos de impeachment, se recusar a assinar a constituição, votar contra o plano real, destruir reputações.

Sua insatisfação pode gerar resultados. Crie um Blog agora mesmo!
Quero mais informações, ou para começar agora, clique aqui.

“Si hay gobierno, soy contra!” Essa frase, atribuída a Che Guevara, na verdade não pertence a ele. “Na verdade, a origem da máxima estará na historieta anedótica do anarquista vítima de naufrágio que, ao chegar à praia de um país desconhecido, logo proclama perante os seus acolhedores habitantes: “Obrigado por me salvarem! Mas se há Governo, sou contra!” Mas ela é pouco para o PT. A frase que melhor define o partido seria “si hay gobierno que no sea mío, soy contra” (se há governo que não seja meu, sou contra).

O PT já se preparava para ser antigoverno Bolsonaro. Não engoliria uma derrota para ninguém, muito menos para Bolsonaro. Mas ele ganhou. E o cenário, que já era ruim, com Sérgio Moro no Ministério da Justiça ficou muito pior. O maior combatente que a corrupção já teve em toda a história do Brasil, profundo conhecedor de todos os meandros desse câncer na política brasileira, e algoz de Lula, vai comandar a justiça.

Assim, já não bastará mais ao PT ser apenas antigoverno. O partido terá que se assumir também antijustiça, o que Gleisi Hoffmann já começou a fazer. Segundo o site O Antagonista, “Gleisi Hoffmann apresentou um projeto para sustar o decreto de Michel Temer que cria uma força-tarefa de enfrentamento ao crime organizado.” É isso mesmo, um projeto que combate o enfrentamento ao crime organizado.

Mas não ficou nisso. Antes mesmo disso, após a reunião da executiva nacional do PT, Gleisi Hoffmann informou que “o partido sugere proteção física e retaguarda jurídica” para os grupos MST e MTST, em contraponto ao projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados para qualificar como terrorismo as ações desses grupos ao invadir propriedades privadas.

Sem a maioria que durante os governos petistas, alimentada por mensalões e petrolões, permitia que o partido aprovasse ou barrasse o que quisesse, o PT não vai poder contar apenas com os gritos de Maria Rosário, as caras e bocas de Gleisi ou a verborragia cínica de “Paulos Pimentas” e “Josés Guimarães”. Sabem que o antipetismo também frequenta as bancadas do congresso nacional.

Penso que 2019 veremos um embate entre corruptos e anticorruptos como nunca se viu antes na história desse país. Mas penso também que no final dele os mocinhos prevalecerão sobre os bandidos, e poderemos, então, em 2020 ter um clima político que possibilite ao Brasil traçar com mais assertividade o rumo do seu futuro.

Entretanto, enquanto a posse não vem, o PT e a esquerda farão de tudo para melar o jogo como for para tentar impedir até que Jair Bolsonaro tome posse em 1° de janeiro de 2019. Não à toa, hoje mesmo, o general Sérgio Etchegoyen disse para o Estadão: “O GSI não comenta detalhes de sua responsabilidade com a segurança presidencial, mas confirma que existem ameaças contra Jair Bolsonaro que efetivamente preocupam”.

É preciso que venham à luz, urgentemente, o resultado das investigações sobre a tentativa de assassinato de Bolsonaro por Adélio Bispo de Oliveira, assim como o teor das delações premiadas de Antônio Palocci e Marcos Valério. O povo brasileiro precisa conhecer essas verdades, que além de elucidar o sistema de corrupção criado pelo PT em seus governos, vai retirar da boca de muita gente os discursos hipócritas que insistem em sustentar.

O PT voltará a ser o que sempre foi, um partido antidemocracia, sem a menor vocação para conviver com a alternância de poder. Ser antigoverno passa a não ser apenas estratégia, mas também sua única saída, enquanto os 30 de seus 62 eleitos são apenas investigados ou réus, pois do jeito que esperamos que a justiça funcione, corre o risco de boa parte desses investigados ou réus adquirirem o status de presos.

De verdade mesmo, o PT será o que sempre foi, um partido interessado apenas em si mesmo, em suas ideologias, em sua manutenção no poder a qualquer preço, lícito ou ilícito (com preferência para a segunda hipótese), e antiBrasil, porque só participa e endossa aquilo que vem dos seus ou que condiz com seus interesses.

E depois não entendem de onde veio o antipetismo.

Você pode gostar de ler também

Palocci pode calar muita gente. Está na hora de sabermos o que ele falou.

 

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.