0

Bolsonaro deve exigir que o ex-motorista vá depor, dê no que der.

Bolsonaro deve exigir que o ex-motorista vá depor, dê no que der.

Tal qual Lula em 2002, Bolsonaro foi eleito pela defesa que sempre fez da ética e da moral. Deve-se, inclusive, atribuir grande parta de ojeriza a Lula e ao PT por terem eles traído durante tanto tempo a confiança dos seus eleitores. Bolsonaro tem que dizer a que veio.

Durante os governos petistas Bolsonaro se notabilizou pelos inflamados discursos de direita no plenário da Câmara, com direito a elogios ao Coronel Ustra e veementes cobranças de explicações dos petistas sobre os sucessivos escândalos que a mídia foi revelando. Ele, Jair Bolsonaro, foi um dos parlamentares que mais cobrou explicações do PT.

O episódio do ex-motorista de Flávio Bolsonaro tem que ser esclarecido, com urgência, e Jair Bolsonaro tem que providenciar isso. Se necessário, cortar na própria carne. É isso que o povo brasileiro espera que seja feito.

Um dos maiores erros que o povo brasileiro cometeu com Lula foi ser leniente com os pequenos deslizes que foram sendo revelados logo no início – caso Valdomiro, por exemplo. Mais ainda quando se chegou ao mensalão, com a óbvia participação de Lula, que saiu livre por meio de acordos em CPIs e no próprio Supremo Tribunal Federal.

O ex-motorista Fabrício Queiroz tem muito que explicar. Jair Bolsonaro tem que exigir que isso seja feito com a maior urgência.

Se a esquerda e a mídia procuravam algo com o que se divertir, encontraram. E a cada minuto que passa sem que o ex-motorista de Flávio Bolsonaro dê as devidas explicações, essa diversão ganha mais prazer e contornos de sadismo. E o que poderia ser simples, ficou complicado demais, mesmo se não for tão complicado assim.

Não comparecer ao depoimento marcado foi a pior alternativa que Fabrício Queiroz e sua defesa escolheram. Soa como um claro sinal de que tem alguma coisa errada e, provavelmente, mais errada do que devia.

Ainda que Flávio Bolsonaro possa não ter nada a ver com o fruto da picaretagem de seu ex-motorista, a picaretagem existiu e precisa ser explicada. E Flávio não pode ficar isento de participar do esforço para que Fabrício Queiroz preste depoimento hoje.

Se por ventura as declarações mencionarem, mesmo que de leve, algum tipo de participação de Flávio, ou até mesmo Jair Bolsonaro, as investigações devem ir até onde for necessário para culpar e punir os responsáveis.

O Brasil não elegeu Jair Bolsonaro para pôr panos quentes em investigações que envolvam pessoas próximas a ele. E quem votou nele não pode acreditar e não vai aceitar esse tipo de comportamento.

Tal qual Lula, Bolsonaro foi eleito defendendo a ética e a moral, traduzindo uma expectativa de total mudança de padrão de comportamento no trato com mal feitos, corrupção e impunidade.

É bom que Jair Bolsonaro aja com urgência para que Fabrício Queiroz preste depoimento ao Ministério Público e explique detalhadamente como foi que movimentou R$ 1.200.000,00 em suas contas – cabe até um esclarecimento, aqui, que a mídia, maldosamente, não faz.

O dinheiro que efetivamente entrou na conta do ex-motorista foi R$ 600.000,00. Considera-se movimentação a circulação do dinheiro, ou seja, se entrou R$ 600.000,00 e saiu R$ 600.000,00 essa é a tal movimentação de R$ 1.200.000,00. Não torna o problema menor, mas é um esclarecimento mais justo..

Jair Bolsonaro precisa decidir nesse momento entre “o mito” ou o “omito”. Se omitir, com certeza, é a pior escolha. Inclusive, o último presidente que não sabia de nada, e nada fez para saber, está preso.

Você pode gostar de ler também

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.