0

Aécio Neves réu. Nunca pensei que me uniria aos petistas nem por um dia

Aécio Neves réu. Nunca pensei que me uniria aos petistas nem por um diaUma carta aberta ao senador Aécio Neves.

Ver a justiça funcionar ainda causa espanto a todo brasileiro, especialmente quando ela começa a funcionar para todo mundo. Ex-presidentes, ex-governadores, ex-senadores, ex-deputados federais e estaduais, ex-prefeitos, ex-vereadores, para o atual presidente, governadores, senadores, deputados, prefeitos, vereadores, e todo e qualquer tipo de picareta que posava de santo e jurava que a água nunca bateria na sua bunda.

E se causa espanto a qualquer brasileiro, imagino, senador Aécio Neves, o espanto que causa quando um Lula vai preso ou quando um político em exercício, como é o seu caso, se torna réu numa ação penal e sabe que tem mais 8 a caminho. Tem que passar mal mesmo. Mas não há remédio para resolver a realidade de uma quase impossível reeleição, e, ainda que reeleito, lidar com a falta de foro privilegiado, que deve cair a qualquer momento e com a possibilidade concreta de virar ficha suja e vir a ser preso após uma condenação em segunda instância.

Resolvi escrever essa carta como uma chance de fazer um desabafo, porque você fez a mim e a outros 49.999.999 brasileiros de trouxas, gente que acreditou em você, mesmo que tenha sido só para a Dilma não ganhar, mas só votou porque não imaginava o tamanho da sua desfaçatez, um sujeito do mesmo nível de podridão que todos eles, sem nada que sirva para atenuar sua biografia.

Mas o que deve realmente causar um espanto amedrontador em vocês todos é verem que o judiciário amigo, por mais intimamente amigo que seja, já não está conseguindo “estancar a sangria”. Aliás, ao contrário disso, a pressão de vocês corruptos é tão pesada que o próprio Supremo Tribunal Federal também está tendo uma sangria, os ministros amigos já perderam inclusive o ambiente no meio dos que estão interessados em passar o Brasil a limpo. Tudo o que se vê no STF é um festival de canalhices e hipocrisias pelos patrocinadores de réus que sentam nas cadeiras amarelas. É nítido. E cada vez mais vergonhoso.
Você não é inocente, Aécio Neves, você é um indecente.

Hoje, vendo quem você é, devo agradecer ao trabalho de João Santana que convenceu 54 milhões de brasileiros a reeleger Dilma Rousseff. Só por isso ele devia ter sua pena perdoada. Mas devo agradecer também à própria Dilma Rousseff por ter sido soberbamente burra e incompetente o suficiente para não conseguir frear a Operação Lava Jato.

Se você tivesse ganho as eleições, senador Aécio Neves, a Lava Jato teria morrido ali no nascedouro. Não lhe faltaria apoio para qualquer coisa que servisse de contraposição ao que era Dilma. Certamente seu amigo Gilmar Mendes teria dado um jeito na cleptocracia do PT, que iria pagar sozinho a conta da corrupção. Naquele momento Gilmar fez até um dos mais belos votos já proferidos a respeito da prisão após condenação em segunda instância, porque até aquele momento, os presos seriam petistas, que dissessem o que dissessem não teriam crédito diante da população.

Quando o senador Magno Malta proferiu aquele belo discurso no seu retorno ao senado pós eleição, ele falava de um Aécio Neves que, só posso imaginar, nem ele mesmo sabia direito quem era. Das coisas que Magno Malta lhe disse, senador Aécio Neves, com toda aquele espontaneidade e sinceridade que lhe é peculiar, o conteúdo de uma frase foi muito tocante. Ele disse que Deus o havia livrado (Aécio) de um fardo e que Deus fez isso para que o PT pagasse pelos erros que cometeu.

Acontece que Deus escreve por linhas tortas, e o livramento foi dos brasileiros, e não da sua pessoa, senador Aécio Neves. Quando Deus não permitiu a sua eleição ele estava matando dois coelhos com uma “caixa d’água” só. Foi a sua não eleição que nos livrou de Dilma, que o senador ajudou a derrubar, e que acabou nos livrando do próprio Aécio Neves, já que ele não teve força suficiente para fazer coro a Romero Jucá na ânsia de estancar aquela tal sangria.

Sabe, senador, eu não perdoo Roberto Jefferson, porque ele não deixou de ser corrupto porque encontrou Nossa Senhora numa estrada, deixou porque a coisa ficou ruim para o lado dele e se deu mal quando pagou para ver e acabou ficando alguns dias sem poder com um olho pelo tamanho da porrada que levou, sabe-se lá de quem. Mas tenho que reconhecer nele, no ex-senador Delcídio, e até no ex-ministro Palocci a capacidade de terem entendido num dado momento que tinham chegado no fim da linha, e por isso, apenas por isso, consigo até ter algum respeito por eles.

Era bom que você, senador Aécio Neves, pensasse nisso, que o fim da linha, se não chegou, está para chegar em pouco tempo. Não espere chegar na situação ridícula que chegou Luis Inácio, porque na situação você vai chegar, só não precisa ser ridícula.

Você ainda é jovem e alguns anos de cadeia lhe farão bem. Pense, você tem filhos pequenos que vão preferir saber que o pai cometeu e assumiu os erros que cometeu e pagou por eles. Se não for dessa forma, o que eles terão é a lembrança do pai corrupto ter sido condenado e preso fazendo cara de inocente, porque eles saberão a verdade.

A sociedade já sabe o corrupto que você é, senador Aécio Neves, e não são apenas os petistas ou eleitores da esquerda. São eles e provavelmente os 51 milhões de eleitores brasileiros que digitaram 45 na urna eletrônica nas últimas eleições.

Creio que falo em nome de muitos milhões de brasileiros quando digo que foi um enorme prazer ver Aécio Neves ter se tornado réu por unanimidade na Primeira Turma (até tu Marco Aurélio?), e que só será maior quando o plenário do STF ou um tribunal de primeira instância (caso não se reeleja) o condene e o mande fazer companhia para Lula em Curitiba, ou Geddel em Brasília, ou Cabral no Rio, ou Marcos Valério em Contagem.

Parabéns senador Aécio Neves. Você mereceu. Os brasileiros estão muito felizes.

Você pode gostar de ler também

Michel Temer conseguiu a façanha de ser uma figura pior que Dilma

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.