0

A república faliu. O golpe é dado pela frente, e narrado em tempo real.

A república faliu. O golpe é dado pela frente, e narrado em tempo real.O artigo 18 da Constituição Federal afirma que “A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição.”

República federativa ou república federal consiste em um estado que é ao mesmo tempo uma república e uma federação. Isto significa que o país em questão tem um ou uma Presidente, mas está dividido em Estados, regiões ou entidades, que possuem alguma autonomia governativa. Nossa república é constituída pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, sendo um Estado Democrático de Direito.

Tudo muito bonito no papel, talvez até no ideal. Mas o que vivemos é a total desorganização político-administrativa da República Federativa do Brasil. A corrupção compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos para roubar, nos termos dessa Constituição, que não costuma levar corruptos para a cadeia.

Tão indissolúvel quanto a união dos Estados, Distrito Federal e Municípios é a união dos corruptos que roubam e legislam em causa própria. As leis são elaboradas para garantir a impunidade, e se falham em algum momento, nenhum problema, muda-se a lei que falhou. E se mesmo assim a coisa não funcionar, sempre se pode contar com um juiz amigo, integrante da turma que acredita que Estado Democrático de Direito é garantir o direito de políticos e empresários corruptos continuem a roubar o dinheiro do contribuinte livremente, sem nenhuma Lava Jato para encher o saco.

Desde que Michel Temer assumiu interinamente os rumos da Lava Jato vem mudando. Cortes de verbas, mudanças de posições no Ministério da Justiça, no Ministério da Defesa, no comando da Polícia Federal, na Procuradoria Geral da República, ministros do Supremo Tribunal Federal em consonância e agindo livre e descaradamente a favor da impunidade. Denúncias feitas pelo Ministério Público acumulam poeira nos gabinetes dos ministros. Só contra Renan Calheiros são 17. Fora um no qual se tornou réu, sobre os outros 16 nem previsão de acontecer alguma coisa existe.

Vemos agora a imprensa informando que se prepara uma CPI da Lava Jato. A total inversão da lógica, um absurdo, uma excrescência inimaginável. Deputados e senadores que são investigados pela Lava Jato e pela Polícia Federal querem instaurar uma CPI para investigar que os investiga. Que raio de República é essa?

Ministros do Supremo Tribunal Federal, que deveriam estar fazendo a lei ser devidamente cumprida, seguindo a máxima de que processo não tem capa, combatem a Lava Jato nas sessões plenárias, nas sessões das turmas, e, principalmente, no ar refrigerado de seus gabinetes. Um deles, inclusive, é frequentador assíduo de encontros com um presidente da República que é investigado no STF e a quem ele poderá ter que julgar. Isso não existe.

Ex-ministros do Supremo Tribunal Federal, em nome de favores que não podem negar a quem os pede, pressionam e articulam junto a atuais ministros da casa, e vários desses, são vistos costumeiramente se confraternizando com parlamentares cujos processos e inquéritos eles mesmos cuidam.

O combate à Lava Jato está entrando no seu momento mais duro e mais delicado. Em menos de quatro meses teremos eleições gerais. A maioria dos candidatos que aparecem nas pesquisas com chances está envolvida com algum tipo de crime relacionado à corrupção. É de total interesse deles que se coloque um freio definitivo na maior ofensiva contra a corrupção já realizada nesse país. E criarão quantas CPIs forem necessárias com esse objetivo, com total amparo dos poderes executivo e judiciário.

De sua parte, o judiciário continua dividido entre os que defendem corruptos e impunidade e os que querem acelerar as coisas. Mas não se pode confiar num sistema no qual são os corruptos que indicam os ministros da Suprema Corte.

Não bastará o voto para reverter isso tudo. É como tentar se defender de tiros de metralhadora com papel alumínio. A República Federativa do Brasil está em processo de morte por falência múltipla dos órgãos que deveriam sustentá-la. A tríade criada para gerir nossa república foi infestada de corruptos que não esperam mais a calada da noite para agir. Fazem à luz do dia, diante das câmeras e microfones, em tempo real.

Antigamente a imprensa era responsável por contar as notícias depois de acontecidas. A evolução tecnológica agora permite que o crime seja noticiado enquanto está acontecendo, como se um assalto a banco fosse transmitido ao vivo pelos bandidos enquanto acontece. Não há mais denúncias na imprensa, há a narrativa dos eventos.

Estamos sendo golpeados pela frente, olhando o inimigo nos olhos, psicologicamente incapazes de esboçar defesa, sabendo o que está acontecendo. Mas, infelizmente, só sabemos reclamar da dor e ver o sangue escorrer, torcendo para que alguém apareça para abater sozinho nosso inimigo enquanto tentamos tampar a ferida com o dedo.

República não é isso. Republiqueta não é isso. Como povo, talvez sejamos mesmo tão somente o paizeco do qual Gleisi Hoffmann nos acusou dias atrás da tribuna do senado. O povo gosta mesmo é de pão e Ciro.

Você pode gostar de ler também

Renan diz que nordeste precisa de Lula livre. Precisa é se livrar de Lula.

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.