0

França deve rejeitar o acordo de livre-comércio UE-Mercosul – Tradução jornal Liberation

França deve rejeitar o acordo de livre-comércio UE-Mercosul - Tradução jornal Liberation

Estes são os brasileiros traidores do Brasil e da América do Sul que assinaram o documento.

O Ministro de Assuntos Exteriores começará, dia 27 de julho, sua visita no Brasil – principal parceiro comercial da França na América Latina. Na linha de fogo está o acordo comercial com Jair Bolsonaro, cujas consequências ambientais e sociais são consideradas inaceitáveis pelas partes signatárias. 

De 27 a 30 de julho, o Ministro de Assuntos Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, se desloca ao Brasil para encontrar-se com as autoridades e empresas. Essa viagem ocorre umas semanas após a visita ao Quai d’Orsay (sede do Ministério da Europa e dos Assuntos Estrangeiros) do seu homologo Ernesto Araújo, e à realização de um encontro internacional do MEDEF sobre as oportunidades comerciais com o Brasil, onde as vantagens de reforma da aposentadoria – que reduz os direitos sociais dos trabalhadores brasileiros – foram evocadas. Os dos países não tinham uma atividade bilateral tão intensa há anos. 

Sua insatisfação pode gerar resultados. Crie um Blog agora mesmo!
Quero mais informações, ou para começar agora, clique aqui.

O Brasil está longe de ser o principal parceiro comercial da França na América Latina, com trocas comerciais que ascendem aos 7,5 bilhões de euros, 900 empresas francesas implantadas e grandes perspectivas de expansão apesar da concorrência cada vez mais forte dos atores chineses. Assim, o acordo de livre-comércio entre a União Europeia e o Mercosul é considerado estratégico pelo governo e o patronato. Além de favorecer a importação de matérias-primas para a Europa, deve reduzir consideravelmente as barreiras alfandegárias à exportação de produtos manufaturados. A indústria local, já bastante frágil, será dizimada. O acordo prejudicará altamente ao desenvolvimento econômico e social do Brasil e de outros países latino-americanos. 

Entretanto, Emmanuel Macron parece ter esquecido um detalhe que não tem valor comercial: os danos ambientais irreversíveis causados pelo tratado. Ainda assim, no G20 em Buenos Aires em novembro de 2018, pouco tempo depois da eleição do Jair Bolsonaro para a presidência do Brasil, ele afirmou que condicionaria a assinatura do acordo à manutenção do Brasil no Acordo de Paris.

Bolsonaro anunciou várias vezes durante sua campanha eleitoral que queria sair dele.  Mas aparamente, saudações entre ministros e chefes de Estado na última Cimeira G20 em Tóquio foram suficientes para o presidente brasileiro convencer da sua vontade de preservar o ambiente. As palavras do Emmanuel Macron ficarão sem sentido se as trocas entre a França e o Brasil se multiplicam. Os volumes de dióxido de carbono emitidos para a atmosfera registrarão a mesma evolução. Nessas condições, a possibilidade dos critérios do Acordo de Paris serem respeitados é muito pequena. 

Esperamos que Jean-Yves Le Drian tenha previsto na sua agenda uma visita à floresta amazônica, onde o desmatamento acelerou de 88% desde 2018, bem como uma visita às tribos índias ameaçadas pelas milícias do agronegócio e aos túmulos das centenas de defensores do ambiente que foram assassinados nos últimos anos (uma cifra que não para de aumentar). Também esperamos que o ministro previu acompanhar durante umas horas os trabalhadores agrícolas empregados nas grandes explorações que dão de comer à Europa, num momento em que a escravidão volta a ser uma realidade e 239 pesticidas (muitos proibidos na Europa) acabam de ser autorizados no Brasil.

A entrada em vigor do acordo amplificará a destruição do ambiente e aumentará o número de mortes decorrentes das atividades do agronegócio. O Acordo de Paris não é uma varinha mágica, apesar do que acreditem alguns negociadores do Quai d’Orsay. Não inclui nenhuma cláusula vinculativa. Mesmo que o Brasil se mantenha no acordo, poderá prosseguir as suas atividades criminais que destroem o ambiente e as pessoas que dedicam a sua vida à proteção dele. 

Para conformar-se aos princípios do Acordo de Paris, é preciso vontade política e um forte compromisso com o combate ao aquecimento climático. Isso notoriamente falta no governo de Jair Bolsonaro. Lamentamos profundamente que o presidente Macron, que fervorosamente pretende ser o líder mundial da proteção ao ambiente, se recusa a reconhecer essas evidências. 

Consequentemente, pedimos à França que rejeite o tratado de livre-comércio entre a União Europeia e o Mercosul, e condicione a troca entre os nossos dois países à adoção de normas rigorosas em matéria de defesa do ambiente e dos trabalhadores brasileiros. 

Signatários: François Alfonsi, deputado (EELV); Manon Aubry, deputado e copresidente do Partido Europeu GUE / NGL (Esquerda da União Europeia) (FI); Clémentine Autain, MP (FI); Ugo Bernalicis, MP (FI); Benoît Biteau, deputado (EELV); Manuel Bompard, eurodeputado, chefe da delegação não assistida ao Parlamento Europeu (FI); Guilherme Boulos, representante nacional do Movimento de Trabalhadores Sem Teto e ex-candidato (PSOL) nas eleições presidenciais (Brasil); Glauber Braga Membro do PSOL, membro suplente do Comitê de Relações Internacionais e Defesa Nacional (Brasil); Damien Carême, deputado (EELV); Leïla Chaibi, eurodeputada (FI); Fabien Cohen, Secretário Geral da França América Latina (França); Eric Coquerel, MP (FI); Alexis Corbière, MP (FI); David Cormand, MEP (EELV); Humberto Costa, senador do PT e presidente do Grupo do Senado (Brasil); Gwendoline Delbos-Corfield, deputada (EELV); Karima Delli, MEP (EELV); Caroline Fiat, MP (FI); Vagner Freitas, Presidente da Central do Trabalhador do Brasil (CUT) (Brasil); Raphaël Glucksmann, deputado (praça pública); Sylvie Guillaume, MEP (PS); Gleisi Hoffmann, deputado e presidente do PT (Brasil); Yannick Jadot, MEP (EELV); Aurélie Journée-Duez, presidente do Comitê de Solidariedade da Índia das Américas (CSIA-Nitassinan, França); Michel Larive, MP (FI); Marie-Noëlle Lienemann, senadora (GRS); Gilles Maréchal, Presidente da Associação AMAR-Brasil (atores no mundo agrícola e rural (França), David Miranda, membro do Comitê de Relações Internacionais e Defesa Nacional (Brasil), Emmanuel Maurel, MEP (FI); Jean-Luc Mélenchon, MP, Presidente do Grupo Parlamentar Insoluto da França, Danièle Obono, MP (FI), Younous Omarjee, MPE (FI), Mathilde Panot, MP (FI), Anne-Sophie Pelletier, MPE (FI); Taliria Petrone, MP do PSOL (Brasil), Paulo Pimenta, PT e Presidente do Grupo na Câmara dos Deputados (Brasil), Loïc Prud’homme, MP (FI) e Adrien Quatennens, MP (FI); Hugues Ratenon, MP (FI), Muriel Ressiguier, MP (FI), Michèle Rivasi, MPE (EELV), Caroline Roose, MPE (EELV), Sabine Rubin, MP (FI), François Ruffin, MP (FI); Mounir Satouri, deputado (EELV), João Pedro Stédile, Movimento de Trabalhadores Sem Terra (Brasil); Sophie Taillé-Polian, senadora (Génération.s); Bénédicte Taurine, MP (FI); Marie Toussaint, eurodeputada (EELV); Salima Yenbou, eurodeputada (EELV); Ivan Valente, PSOL (Partido do Socialismo e Liberdade), presidente do grupo PSOL na Câmara dos Deputados (Brasil); Sindicato Estadual dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Brasil). Um coletivo de personalidades políticas e associativas francesas e brasileiras

Tradução feita pela amiga francesa Coraline Chalamel, de Ambérieu-En_Bugey, França – 23 anos (fico devendo a interessante biografia dessa jovem que fala e escreve em português muitíssimo bem, além de inglês e espanhol). Caso encontrem erros de ortografia e gramática, fiz questão de não fazer correção e deixar a tradução tal qual ela fez.

Segue abaixo o link para o artigo original.

https://www.liberation.fr/amphtml/debats/2019/07/27/la-france-doit-refuser-l-accord-de-libre-echange-ue-mercosur_1742315

Você pode gostar de ler também:

http://nopontodofato.com/politica/gilmar-mendes-lidera-ataque/

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.