0

Câmara vota amanhã cotas para mulheres nos legislativos

Enquanto o processo democrático o lógico é estabelecer igualdade, a democracia brasileira vai sendo dividida em cotas e fundões que, com a desculpa de garantir a participação de todos, apenas amplia mais as diferenças já existente e cria ruídos que antes não existiam.

Com a proliferação de cotas para todos os gostos, não é de se estranhar essa medida que, tal como outros tantos tipos de cotas, não leva em consideração critérios como, por exemplo, as pessoas poderem conquistar seus espaços por mérito.

E por que não estabelecer, também, cotas para gays e religiosos, para negros, pardos, mulatos e índios? E as minorias? Por que não para refugiados da Síria, para Venezuelanos desencantados com Maduro, para os bolivianos e chineses que invadiram São Paulo?

Que porcaria de país é esse que precisa etiquetar a sociedade dessa maneira? Que leis são essas que criam feminicídios ou gaycídios como se não se tratasse de uma vida humana igual a qualquer outra? Que sociedade é essa na qual os defensores de direitos humanos tem atenção apenas para bandidos e não para as vítimas da violência? Sem falar nos políticos, que fazem parte de uma cota que não pode ser sequer processada, quanto mais presa?

Se o povo brasileiro não começar a pensar seriamente na cota de sacrifício que lhe cabe para arrumar esse país, em breve dividirão em cotas o que ainda sobra da nossa sociedade. E se isso te incomodar, você poderá fazer parte, no máximo, da cota dos insatisfeitos.

O que os políticos, e os malucos que os apoiam nessas iniciativas, querem é criar um sistema de castas que não existia no Brasil, pois o que parece ser um privilégio, quando apresentado como “cotas”, é na verdade o aprofundamento da desigualdade e da promoção da pessoa como cidadã.

Não precisamos de cotas. Precisamos de justiça, e ela só é justa se tudo for igual para todos.

O absurdo dessa proposta você encontra clicando nesse link aqui que vai te levar na página da Câmara.

Aproveite e leia também: Eleições 2018. Estamos há exatamente um ano delas.

HS Naddeo

Brasileiro escrivinhador de ofício, palpiteiro, cheio de opinião, jornalista, publicitário, administrador, marketeiro, anti-petista, anti-corrupção e anti-burrice.